Tag: Cremes

O mundo é sexo! Sexo em Paris, então! Veja esta lista.

Banner_O mundo é sexoEu tenho um amigo, daqueles que temos desde a adolescência, onde a intimidade é tanta que podemos falar e conversar com pudor zero. Isso é tão bom e tão essencial na minha vida!

Bem, mas o tema não é sobre a amizade. Eu perguntei a ele o que ele havia achado de meu novo livro. Estava ansiosíssima, porque ele é daqueles que fala mesmo se for uma porcaria e, também, ele é uma das únicas pessoas que pode dizer isto sem que eu fique braba! Hahaha!

– James, o que você achou do livro?

– Falta sexo! O mundo é movido a sexo!

– …hummmm

É claro que, imediatamente, escrevi um capítulo inteiro sobre o tema! Quer saber? Eu ia falar se você quisesse saber para comprar o livro, mas, como uma Dominique simpática, vou postar aqui o tal capítulo, tá?

Paris é uma cidade que inspira romance, já muito sabido por motivos óbvios. Mas ela também inspira, e muito, o sexo! Porquoi pas?

A prostituição em Paris, por exemplo, está presente há 1.200 anos e, diferente dos dias de hoje, era muito mais importante. Prostitutas tornavam-se amantes fixas de reis, aristocratas e tinham um status quo bem mais interessante do que nos dias de hoje. Fato é que é uma das únicas profissões que subsistem, porque aquele meu amigo disse tudo: O mundo é sexo.

Obviamente nem todo mundo tem o costume ou hábito de pagar pelo serviço. Por isto, uma vez em Paris, longe dos olhos de conhecidos, entregue ao momento e a aventura, inspirado pelos cenários da cidade é natural que o corpo relaxe do estresse com menos rotina, pressão e ainda com menos expectativas e cobranças em um novo ambiente trazendo uma sensação de libertação. Aliado ao anonimato, liberdade e ao estímulo de um novo ambiente podemos ter certas sensações e impulsos, ne´est ce pas? Assim fica mais fácil a entrega a novos prazeres.

Bem, uma pesquisa publicada no jornal francês, Le Fígaro, feita com 2.007 parisienses acima dos 18 anos revela que: um a cada dois homens e uma a cada seis mulheres já fizeram sexo com mais de uma pessoa ao mesmo tempo; 68% dos entrevistados costumam ter uma noite de amor sem compromisso, contra 50% das mulheres; muitos disseram não saber nem ao menos o nome da pessoa com quem saiu.

Paris também é a cidade da infidelidade, onde 58% dos homens e 36% das mulheres admitiram já ter sido infiel ao cônjuge, sendo que alguns ainda admitem que são infiéis constantemente. A metade dos entrevistados admite já ter experimentado sexo sadomasoquista. Wow!!!

Interna_O mundo é sexoSeja você adepto, curioso ou debutante, eis uma listinha e um roteirinho básico na cidade da luz vermelha, que nunca dorme, além de aplicativos mais utilizados pelos adeptos.

Se for falar de um bairro, o mais libertino de todos não é mais Pigalle, e sim o Marais. Dizem que mais da metade dos bares tem um salão aos fundos onde o sexo rola livremente e gente de toda a Europa vem somente para isto.

Le Berveley – Cinema pornô com filmes em 35mm onde na maioria das vezes o público acaba interagindo. Li em algum lugar que era mais ou menos uma projeção em 3D (se é que me entende!). Diariamente das 10h às 22h. 14, rue de la Ville Neuve, 75002

Le Club 41 – Para os novatos e mais pudicos (mas nem tanto) dizem que devem ser iniciados em algo menos escandaloso. O Club 41 cobra 22 euros por um drinque, mas em compensação o sexo é free, com quem você quiser, a dois ou em grupo. Começa à meia-noite! 41, Rue Quincampoix, 75004

Le Keller – É preciso alertar que este clube é de sadomasoquistas, apesar de você não ser obrigado a nada e nem poder obrigar ninguém a fazer o que não quer, mas avisar sobre o que se trata se faz mais do que necessário. Não, não precisa levar seus instrumentos de tortura, porque eles são fornecidos lá mesmo. Só pedem que respeitem o dress code que é ultra sexy, roupas e calças de couro e tal… A entrada custa 10 a 13 euros com direito a uma cerveja. A diversão em questão é freeabre às 21h. 14, rue Keller – 75011

Les Chandelles – Swing Chique – Tudo começa em um jantar em casal e depois escolher as salas de festa e os quartos de amor. Tudo muito chique e bonito. Jantar excelente em sistema de buffet. Você pode fazer o que quiser desde que permita e que a outra pessoa ou outras também consintam. Se estiver sozinho ou sozinha terá que pagar 110 euros para entrar. Se for em casal somente pagarão pelo consumo. Começa às 22h30 e aos domingos a partir das 16h (tipo matiné!!!!).  1, rue Thérèse, 750011.

Folies Pigalle – Balada ao ritmo “tecno” a casa acolhe a todos: heteros, homos, travestis e afins e todo mundo se diverte junto a começar na noite anterior até ao meio-dia do dia seguinte! Ali dentro tudo pode acontecer! 1. place Pigalle – 75009

Digamos que está ali em Paris, sozinha, como não quer nada, mas querendo alguns bons momentos de aventura sem compromisso. Está jogada lá em sua cama de hotel e mexendo no seu celular… Só clicar e ver se tem alguém disponível (com o seu perfil) pensando na mesma coisa e decidir se você vai ou ele vem…  Prontinho! Tá arranjada uma festinha!

Happn – com 3 milhões de usuários e bem utilizado pelos franceses; também usado para “ménage à trois”!

YesforLov – Antes da festinha, não deixe de passar por esta loja diferente de tudo o que você já viu em termos de cremes e brinquedinhos!

American Dream – Agora, se o seu negócio é só mesmo divertir-se de forma picante, porém light, sem se comprometer, eu aconselho dar uma espiada na mistura de strip-tease feminino, masculino e outros e todo o tipo de performances entre um drinque e outro com boa comida Tex-Mex, Bar de Sushi e mais de mil metros de pura diversão! 21, Rue Daunou, 75002

Amiga, na boa, sai desse sofá enquanto há vida! Vamos?

Quer mais? Só no livro! Baixe agora mesmo!

Guia da Boa Viagem Paris Legal 

 

Leia mais:

Ele pediu para a espoca ser garota de programa – Apimentando a relação

E subimos ao paraíso – 2o andar da Boutique Sensual

 

 

Cynthia Camargo
Cynthia Camargo

Formada em Comunicação Social pela ESPM (tendo passeado também pela FAAP, UnB e ECA), abriu as asas quando foi morar em Brasilia, Los Angeles e depois Paris. Foi PR do Moulin Rouge e da Printemps na capital francesa. Autora do livro Paris Legal, ed. Best Seller e do e-book Paris Vivências, leva grupos a Paris há 20 anos ao lado do mestre historiador João Braga. Cynthia também promove encontros culturais em São Paulo.

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

A vida está complicada? Então vamos falar de cabelo…

Dominique - Cabelo

Quando a procura por um simples produto de cabelo se torna um novo aprendizado.

“Você está em transição?” escutei atrás de mim. Olhei pasma para a vendedora. Estava em uma dessas lojas imensas de cosméticos, que, de repente, proliferaram, atrás de algum produto que ressuscitasse meu cabelo.

O que ela queria dizer com transição? Imaginou que eu estava tentando me livrar de algum vício. Ou estava sendo iniciada em uma seita. Ou adivinhou que estou mudando de área profissional?

Veio o esclarecimento: “Os seus cachos já estão pegando jeito”. Vi que se referia ao meu cabelo, mas não entendi o que queria dizer. Voltei para minha perplexidade diante da gôndola de produtos capilares com uns cinco metros de extensão. Para variar, estava paralisada, o que sempre acontece quando me deparo com excesso de oferta. Acabei saindo de mãos abanando.

Como estava decidida a dar um jeito no cabelo, fui pesquisar. Descobri não apenas o que a moça queria dizer com “transição”, mas também que havia surgido uma nova ciência para tratar de cabelos crespos agredidos por anos de química e manipulação térmica.

Diga-me – existe alguma área da vida que não esteja ficando cada vez mais complexa? Seja escolher um tempero no supermercado ou comprar um notebook, nada mais parece simples. Exige uma imersão no Google e muita consulta com especialistas.

No princípio, era apenas o xampu. Acho que nos anos 80, o condicionador (ou creme rinse?) sacudiu o mercado. Mas revolução veio mesmo com o creme de enxaguar, o milagroso leave in. Resolveu a vida de quem queria ter cabelos crespos que não vivessem em estado de frizz. Resolveu? Eu não sabia de nada, pobrezinha.

Como fez a Embrapa com a agricultura brasileira, algum órgão passou a pesquisar cabelos crespos com todas as ferramentas disponíveis pela ciência. Provavelmente, recuperar cabelos não tinha muita diferença de revitalizar terrenos degradados por séculos de queimadas e pesticidas. Ou desenvolver espécies menos agressivas ao meio ambiente.

O resultado impressiona. E me arrisco a dizer mais – a preocupação que nós, brasileiras, damos ao cabelo, talvez faça surgir um mercado tão promissor quanto se tornou o agronegócio. Quem sabe, logo, logo, a exportação de know how e itens capilares ocupará posição de peso na pauta de exportação do Brasil, com produtos de alto valor agregado.

Resumindo, a revolução no campo chegou aos cabelos. Tive um choque ao saber que o xampu virou um vilão. O prescrito agora é lavar o cabelo com… O condicionador. E só valem produtos livres de sulfato (o elemento responsável pela espuma) e de produtos derivados de petróleo. De preferência, orgânicos.

Além de hidratar, tarefa de dezenas de produtos, não se pode deixar de nutrir os fios. E lá se vai mais uma miríade de marcas para escolher. No lugar dos dois ou três produtos que usávamos, agora são seis ou sete. Conselho de amiga – não vá a uma loja dessas sem saber exatamente o produto e a marca que deseja. Ou aceite a sensação de profunda ignorância que toma conta da gente.

Depois de se entender sobre os produtos, chega a hora de se inteirar dos processos. Passar o produto, fazer espuma e enxaguar? Esqueça. Tem o jeito certo de movimentar o couro cabeludo, de umectar as mechas, de prender para conseguir melhor absorção… Você vai precisar de um manual de instrução.

Esse manual, com certeza, vai trazer mais uma surpresa – a classificação dos crespos segundo a dimensão dos cachos. Não são três ou quatro, superam os dez. Fiquei sabendo que os meus estão na categoria 3A.

Pensa que estou dando um furo de reportagem? É pura notícia velha, eu é que estava desinformada. Há muitos anos, a classificação oficial de cabelos circula entre os entendidos. Faz uns cinco anos, começou a se espalhar massivamente com a ajuda de centenas de blogs que promovem a redenção dos cabelos crespos.

Por fim, entendi a tal da transição. O termo não tem nada de religioso, porém, encontrei uma conotação filosófica. Para voltar ao seu estado original, o cabelo excessivamente manipulado (digamos assim) precisa passar por um período de desintoxicação, que exige muita paciência e persistência, às vezes, de dois anos.

E também desapego, porque os fios danificados são cortados bem curto para conseguirem crescer livres da dependência química. Muito parecido ao método do AAA – um dia de cada vez. Quando os cabelos estão crescidos, só se ouve falas de mulheres maravilhadas com a descoberta da beleza que tanto tempo tentaram negar.

Quantos vezes na vida não nos deparamos com essa exigência de superação, não é mesmo? A aceitação do fim de um ciclo profissional e a busca de outra forma de aplicar nossos talentos. Os filhos saem de casa e voltam com a própria família. Um casamento esgotado dá espaço a uma nova chance de amor. Aprendi muito com a intervenção daquela vendedora.

Inês Godinho
Inês Godinho

Jornalista, brasileira, ciente das imperfeições e das maravilhas da vida. Contradições? Nada causa mais sofrimento do que um texto por começar e não há maior alegria que terminá-lo.

2 Comentários
  1. Delicia de surpresa! Sabia q vc escrevia mas assim gostoso? Aprendi mt e tenho certeza que tb estou em fase de transição…E defasada nas informações sobre os famigerados crespos….

  2. adorei o texto, o humor , a leveza deliciosa e informativa do texto da Inês. Um primor> Como vitima de cabelos crespos, amei.

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.