Tag: Pós-separação

Que roupa usar no primeiro encontro pós-separação?

Dominique - Roupa
Olha gente, depois que eu me separei, tive uma fase de reclusão. Acho que muitas mulheres passaram ou estão passando por isso. Então, vou dividir a minha experiência.
Foi algo meio luto, meio fechada para balanço, sabe? Mas, devagarinho, voltei a colocar a cara no mundo.

Fase 1 – Sair com minhas amigas. Ah! Elas são essenciais.
Fase 2 – Sair com grupo de amigos. Isso, homens e mulheres.
Fase 3 – Sair pela primeira vez com um homem em uma situação de sedução e conquista.
Aiaiaiaiaiai.

Vamos combinar que estamos enferrujadas. Anos e anos de casamento. Por mais segura que você seja, bate aquele medinho lá no fundo.
– Devo ir com o meu carro?
– O que falar?
– E se ele não me achar interessante?
– Será que bebo?
– Divido a conta?
Mas aí vem a pior e maior das dúvidas: QUE ROUPA VOU USAR NESTE PRIMEIRO ENCONTRO?

Bom, aqui vou tentar te passar algumas dicas que aprendi com o tempo e com outras coleguinhas expertinhas. E, obviamente, algumas quebradas de cara que todas passamos.

Não compre roupa nova! Sério. Use uma roupa que você se sinta linda, que já tenha usado e que já tenha sido elogiada. E principalmente, que te deixe segura, né?

Comprar uma roupa nova é sempre um risco. Você não sabe como ela vai se comportar. Pode ficar muito curta na hora de sentar. O decote pode abrir sem querer. A barriga saltar numa determinada posição. O fato é que você se olha no espelho na loja, vê uma coisa e, às vezes, chega em casa e a coisa fica bem diferente. Aliás, isso renderia um capítulo à parte: espelhos mentirosos que emagrecem em lojas, com iluminação que nos deixam deusas. Truques baixos! Mas não são todas as lojas, claro.

Escolheu a roupa? Claro que não, né? Ficou na dúvida entre 3. Chame sua best friend. Faça desfile para ela. Azucrine mesmo. No fundo, ela vai adorar.

Sapato. Ah, amiga, sapato sexy. Pode ser moda estes sapatos tipo tênis. Pode ser moda estes sapatos fechados com cara de avó. Mas não tem nada mais sedutor do que um sapato com um belíssimo salto alto, decotadíssimo nas laterais e com aquele bico fino delicado? (Gente, este é o meu estilo. Por favor, não se avilte. Não use aquilo que não combina com você! O homem que te convidou pra sair está atraído pelo SEU estilo).

Perfume.
Perfume marcante, mas suave. Pouco. Vou repetir. Pouquinhooooooo. Não exagere no perfume. Não queira ser lembrada pela mulher do perfume enjoativo que deixou o carro fedendo por três dias.

Cabelo e maquiagem simples, com cara de todo dia. Mas, claaaaaaaaarooooo, você vai arrumar muito e ter aquele trabalhão para ficar com aspecto de todo dia.

E, finalmente, lingerie.
Uma lingerie muito, muito linda. Moderna, sexy e que faça você se sentir uma musa. Provavelmente nada vai acontecer na primeira noite.Ainda mais porque é a primeira vez que você sai depois da sua separação.

Agora, minha filha, se rolar uma química bacana e você estiver a fim, não tenha medo de ser feliz!

Marque o gol e corra pra o abraço.

Leia mais:

Ao procurar um novo amor, é preciso paquerar-se também!
Cordeiro bonzinho? Lobo feroz? Qual teu tipo de homem?

Avatar
Dominique

Nasceu em 1964. Ela tem 55 anos, mas em alguns posts terá 50, 56, 48, 45. Sabe porque? Por que Dominique representa toda uma geração de mulheres. Ela existe para dar vida e voz às experiências, alegrias, dores, e desejos de quem até pouco tempo atrás era invisível. Mas NÓS estamos aqui e temos muito o que compartilhar. Acompanhe!

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

E 4 anos depois… #sqn

História enviada pela Tereza Cristina.

Em maio de 2010 aconteceram duas coisas que mudariam minha vida: eu vendi a minha casa, e seria a primeira vez na vida que eu iria morar sozinha, e acabei um namoro com uma pessoa de quem eu gostava muito.

Fiquei uns três anos sem sair com ninguém, curtindo a minha solidão e, ao mesmo tempo, usufruindo da minha nova vida e da pessoa que me descobri: forte e uma excelente companhia para mim mesma!

Um dia, em novembro de 2013, numa visita à minha nora que fazia brownies e bolos de Natal pra vender, o sócio dela me perguntou:

– Tia, você é tão bonita, por que está sozinha?

Eu pensei – por que eu tô sozinha?, e ri comigo mesma.

Respondi:

– Eu estou sozinha porque não consegui arrumar ninguém que realmente me interesse e porque, depois do meu ultimo relacionamento, eu resolvi que não queria mais ninguém.

Ele me disse:

– Tem um site de relacionamento bárbaro, que acabou de ser lançado, chamado Tinder. Eu estou saindo com uma pessoa muito legal que eu conheci lá.

Eu respondi:

– Ai, meu amor, eu não tô mais com vontade de sair com alguém. Eu já estou ficando velha. Não tenho vontade. E homem só quer mocinha pois uma mulher resolvida como eu assusta os homens. Melhor continuar sozinha.

Ele insistiu comigo:

– Não, tenta. O aplicativo está conectado ao Facebook e você pode ver, de repente, se vocês têm amigos em comum.

Eu pensei – por que não?, e disse:

– Então me coloca lá!

E o Beto me cadastrou no bendito do Tinder.

Apareceram várias pessoas. Nunca vi tantos homens aparecendo na minha vida, respondendo e curtindo o meu perfil.

Até que apareceu uma pessoa que eu fiquei interessada. Um homem charmoso, com idade compatível, mas sem amigos em comum.

Devia ter por volta dos 60 anos, falava várias línguas: italiano, francês, inglês. Aliás, ele é italiano de nascença e eu sempre tive uma queda por italianos.

Uma pessoa muito, muito legal. Nós começamos a nos falar. Até que um dia ele me convidou para jantar fora. Era comecinho de dezembro.

Eu aceitei o convite e fui jantar com ele. Foi muito gostoso. Nós saímos mais algumas vezes. Saímos com amigos dele, com amigos meus. Fui até ao batizado do neto dele.

Um dia ele me perguntou:

– Quer passar o final do ano comigo?

Eu pensei – e agora? Vou ou não vou?

Pedi para pensar um pouquinho. Como eu ia fazer para falar aos meus filhos que eu – uma mulher de 50 e poucos anos – queria passar o réveillon com uma pessoa que eles não conheciam?

É complicado ter filho homem. Filho homem é um pouco mais possessivo, um pouco mais ciumento. Contei que ia passar o Réveillon com uma turma de amigos para eles não fazerem muitas perguntas!

Daí decidi ligar pra duas amigas minhas, daquelas amigas irmãs, que são minhas amigas desde os meus 12 anos e contar toda a história que até aquele momento era segredo. Tinha um certo preconceito de sair com uma pessoa que encontrei num aplicativo de encontros….. acho que uma certa vergonha.

– E ai? O que vocês acham? Vou ou não vou?

Elas aprovaram na hora, me perguntaram o que tinha a perder…

A minha preocupação não era sobre o que eu iria ganhar ou perder. Tinha dúvidas porque eu não o conhecia direito. Tudo bem que ele era um gentleman, um amor. Mas eu estava desabituada, fazia tempo que eu não dormia com ninguém. Como eu ia fazer?

Elas disseram:

– Não, você vai sim!

Decidi que eu ia e disse:

– Então tá bom, se eu vou vocês vão ter de me ajudar porque precisamos de enxoval.

Liguei outra vez pro moço e confirmei que ia acompanha-lo na viagem pra Trancoso.

Ele, supergentil, me pediu pra passar nome completo e documentos pra providenciar as passagens e tudo o mais.

Sai com as minhas amigas pra fazer um enxoval. Roupa pro réveillon, uma roupa pra cada dia, lingeries, camisolas, biquini, saída de praia… levei uma mala que parecia de um mês!

As minhas amigas me deram outras dicas: que era pra eu acordar um pouquinho mais cedo que ele pra pentear o cabelo e passar um blush… que isso era pro moço me ver bonita! Que pra não acordá-lo eu devia dormir com o celular deixo do travesseiro, com um som baixinho de despertador.

Depois de tudo pronto, chegou o dia da viagem.

Chegamos super em cima da hora no aeroporto. Ele viu o horário errado na passagem. O vôo era as 4 horas e nós chegamos lá umas 3h15. O atendente falou que a gente podia embarcar, mas as malas não!

Bom, perdemos o avião. Foi bem desagradável. Então eu pedi pra falar com o gerente da companhia aérea. Eu expliquei que era a nossa primeira viagem juntos, praticamente uma lua de mel, e perguntei o que ele poderia fazer pra ajudar a gente. Imaginem, era dia 29 de dezembro e estava tudo lotado!

Ele foi bacana e nos arranjou um vôo no dia seguinte cedinho. Daí fui pra casa dele, porque ficaria mais fácil para sair cedo pro aeroporto.

Nós saímos para jantar e, na volta, o moço olha pra mim e me diz:

– Já que não aconteceu nada até agora, e a gente já está saindo há um mês, vamos deixar pra acontecer em Trancoso.

Eu pensei que era perfeito. Dormimos de conchinha, foi supergostoso. No dia seguinte acordamos cedo, tomamos café e viajamos. Deu tudo certo. Chegamos em Ilhéus, alugamos o carro, e seguimos pra Trancoso. Ficamos numa pousada maravilhosa!

Fomos pra praia, tomamos drinks, almoçamos.

Então outra novidade. O moço é alérgico ao sol.

Sim, eu ficava tomando sol e ele ficava numa tenda, daquelas tipo balinesa, cheia de almofadas.

No primeiro dia, voltamos da praia e tomamos banho. Enquanto ele descansava um pouco eu li. Nós nos arrumamos, saímos para jantar e bebemos vinho.

Eu estava esperando a grande noite e…

Nada!

Dormimos de conchinha…. e nada!

Nada no primeiro dia, nada no seguindo dia…

Resultado. Eu passei 8 dias em Trancoso, voltei queimada, linda e intacta.

O moço não transou comigo.

A viagem foi deliciosa (tirando este probleminha técnico!), tanto que no avião ele me convidou para passar o carnaval em New York, cidade que adoro!

Ele é uma pessoa ótima, carinhosa, um papo delicioso. Uma companhia agradabilíssima…

Só que é impotente.

Ele nunca comentou comigo e eu nunca perguntei.

Voltei pra São Paulo.

Fiquei extremamente triste, achei que o problema era comigo. Falei com as minhas amigas e descobri que o problema não é só comigo. Tem vários homens que depois dos 60 anos tem problemas. O moço deveria ter algum problema sério, porque alguns tomam viagra, mas ele não!

Resultado: nós voltamos, mas não liguei mais pra ele. No quarto dia, ele me ligou e perguntou se aconteceu algo estranho. Pra ele nós estávamos namorando, estávamos saindo há um mês, tínhamos passado o Natal e o réveillon juntos e ainda tínhamos combinado o carnaval…… Tadinho!!!

Eu respondi que não, e disse que ele também não tinha me ligado. Ele disse que estava ocupado nos negócios. Eu disse que também estava ocupada com os meus netos. Infelizmente não fui muito sutil e ele percebeu a minha decepção.

A gente se fala até hoje, mas nunca mais saímos. Eventualmente nos falamos ao telefone e, as vezes, vejo fotos no Facebook.

Esta é a minha história da virada do ano de 2013 pra 2014. A viagem foi muito gostosa, mas extremamente frustrante.

Avatar
Dominique

Nasceu em 1964. Ela tem 55 anos, mas em alguns posts terá 50, 56, 48, 45. Sabe porque? Por que Dominique representa toda uma geração de mulheres. Ela existe para dar vida e voz às experiências, alegrias, dores, e desejos de quem até pouco tempo atrás era invisível. Mas NÓS estamos aqui e temos muito o que compartilhar. Acompanhe!

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Primeiro encontro pós-separação

História enviada pela Cecilia Michelin

Separação é sempre dolorosa, mesmo que a gente não veja a hora que aconteça. É um luto. Tem as fases e concordo, neste caso, que tem que ter. Tem sim que passar pelas fases da negação, revolta, dor, desespero, aceitação para… ufa… chegar na enfim fase que bom que agora passou. Separar não é legal, mas, em alguns casos, é necessário para se reencontrar.  Ninguém casa querendo se separar, eu imagino.

Bem, esta crônica não é para falar sobre isso, mas sobre o primeiro encontro pós-separação.  Passadas as fases que mencionei acima, já refeita, me vi pronta para recomeçar. Mas como é isso agora? 50 anos, faz 24 que eu não namoro com ninguém, não tenho o “primeiro encontro”. Como entender os primeiros sinais, como rola a coisa?  Será que eu sei ainda? É como andar de bicicleta?

Bem, saio com o dito cujo. Bonitão, faz questão de mostrar o carrão, o que me incomoda um pouco, porque eu não curto estas coisas, o exibir, mas vamos lá. Leva-me a um restaurante italiano, ganha um ponto porque prestou atenção na minha conversa anterior, é minha cozinha preferida. Tudo caminhando bem, conversa trivial.

Até que começa o seguinte diálogo surreal, na verdade um monólogo:

– Tenho 58 anos, mas pego mulher de 34. Vc duvida? – declara o dito cujo.

– Nossa, que demais! – Falei zombando do infeliz.

– Bem, é o seguinte, eu quero uma companhia para o social, disse o ser.

– Oi – falo eu, com o garfo entre os dentes, quase deixando o nhoque cair.

– Eu quero uma mulher para me acompanhar nos eventos, jantares, festas, estas ocasiões – vociferou a criatura.

Eu só olhei.

– Não precisa ver todo final de semana – ele continuou.

Eu continuei calada, o que é bem raro para minha pessoa. O cara estava praticamente fazendo um briefing detalhado, quase lendo as cláusulas de um contrato.

– E quero uma mulher limpinha – grunhe o homem de 1.95 cm.

Quase cai da cadeira e respondi:

– Como assim?

– Porque tem muita mulher porca!

Quando eu caí da cadeira e pensei que o mundo tivesse acabado, veio a bomba master:

– Eu me depilo total, porque eu respeito a mulher que estiver comigo. Espero que ela faça o mesmo – declarou o animal.

Silêncio absoluto.

Como o ser humano fala isso na primeira vez que sai com você sem tem a menor liberdade com sua pessoa? Eu nem tinha levado o segundo nhoque a boca ainda! O problema não é a depilação, muito menos ser limpinha, mas são os argumentos e a técnica usada para a conquista! Senhor, me salve!

Esta foi a minha experiência no primeiro encontro pós-separação, 3 anos after, mais para trote de calouro. Fala sério! Estou correndo até agora sem olhar para trás e isso faz 9 meses.

Avatar
Dominique

Nasceu em 1964. Ela tem 55 anos, mas em alguns posts terá 50, 56, 48, 45. Sabe porque? Por que Dominique representa toda uma geração de mulheres. Ela existe para dar vida e voz às experiências, alegrias, dores, e desejos de quem até pouco tempo atrás era invisível. Mas NÓS estamos aqui e temos muito o que compartilhar. Acompanhe!

5 Comentários
  1. Nossa ri muito agora é ao mesmo tempo me deparei falando com algumas amigas que passam por isso é morrem de medo de se expor …. Amei

  2. Muito legal o relato e tenho certeza que este homem existe, Hoje tudo vem por contrato , falta sensibilidade e educação, sem censura …..falar na mesa de depilação???? É um rôbo , não é humano

  3. Ceusss … mais sorte na próxima!… ou então simplesmente usufrua do prato uma ou duas vezes, como geralmente se faz por aí. O que não chega a ser uma idéia péssima e pode ser bem pitoresco…kkkk

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.