Tag: Expectativa

Tudo é uma questão de tempo

Se tem uma coisa que me irrita é quando alguém diz que o maior luxo na vida é ter tempo.

Na minha modesta opinião não ter tempo pra nada não quer dizer que você é uma pessoa bem-sucedida. Quer dizer que você não sabe lidar com ele.

A menos que você seja mãe de mais de cinco filhos, sem babá e com um marido que trabalha no turno da noite, eu diria que o tempo é administrado assim como o dinheiro. Aliás, tempo não é dinheiro. Taí outra frase que eu não gosto.

A nossa relação com o tempo durante a permanência nesse planeta é muito estranha.

Até a adolescência, quando você sabe que ainda tem uma vida inteira pela frente, rola aquela pressa de ficar mais velho. Se você perguntar para uma criança quantos anos ela tem ela não diz quatro. Ela diz “vou fazer cinco”. Se tem dezessete responde “vou fazer dezoito”.

Aí, depois que a criatura passa dos vinte, e eu diria que até os quarenta, ela vive em paz com o tempo. Estuda, se forma, vai à balada, começa a fazer sexo com qualidade, beija muito e, finalmente, começa a ganhar seu dinheiro.

Nesse período a gente acha que aquela pressa que te atormentava finalmente saiu de férias. Não, minha querida. Ela, assim como você, também cresceu, mudou e se transformou em ansiedade, que nada mais é que a pressa casada com o medo.

E toca correr pra fazer tudo o que se quer, inclusive a terapia.

Aí você chega aos cinquenta. Passa rapidinho, né? E nem vem com esse papinho furado de que hoje em dia os cinquenta são os trinta de anos atrás. Cinquenta é cinquenta. E é ótimo! Porque finalmente você se dá conta que a pressa, a ansiedade, o medo e tudo o mais que você discutiu com seu psiquiatra não tem mais a menor importância.

A vida é mesmo muito louca porque quanto mais tempo a gente tem mais a pressa nos domina. Afinal, quando somos jovens e temos muitos anos pela frente, o medo de não dar tempo é enorme. E, ao contrário, quando já vivemos meio século e nos resta menos tempo de vida, bate aquela calma do tipo “posso fazer amanhã o que teria que fazer hoje”.

E se nenhum profissional da psicoterapia, da neurociência ou mesmo um expert de física quântica sabe explicar esse fenômeno, eu sei.

Aos cinquenta a gente finalmente aperta aquele botãozinho mágico do “Foda-se” que aciona um superneurônio até então adormecido, que domina todos os outros que a essa altura já estão cansados de tanta correria, liberando seu cérebro para fazer o que quiser e quando quiser.

E por favor, nem pense em falar de “melhor idade” que isso, além de mentira, é coisa de idoso. E idoso, segundo a lei, é depois dos 60.
Portanto ainda falta muito tempo!
Avatar
Helena Perim

Escritora e roteirista, trabalhou como diretora de arte em canais de TV e produtoras, mas acabou trocando o desenho pela escrita. Hoje, é freelancer na criação e no desenvolvimento de projetos pra TV e Internet. Também é autora de 4 livros de humor, que falam de comportamento, turismo e moda.

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.