Saúde

Osteopatia como aliada na qualidade de vida após os 50 anos

Você conhece a Osteopatia? Apesar de ser um método terapêutico já antigo, ainda é pouco difundido por aqui. Não deveria, principalmente as Dominiques que sempre se queixam de uma dorzinha aqui… outra ali. Quem prefere substituir os remédios por opções alternativas também vai adorar! 

A osteopatia se baseia em anatomia e na fisiologia do corpo humano, tratando lesões musculoesqueléticas e alterações orgânicas em geral pela intervenção manual sobre os tecidos. O nosso organismo é uma junção de diversas estruturas e sistemas que, se não estiverem funcionando em harmonia, provavelmente podem causar diversos problemas. 

Um deles é a dor, que às vezes surge do nada e não sabemos direito como tratá-la. Segundo a osteopata Flavia Lèbre, é um método de diagnóstico e tratamento que tem como sua principal ênfase à integridade estrutural e funcional do corpo. Ela explica que uma disfunção ou patologia pode repercutir não apenas de maneira local, mas também sistêmica, influenciando então a capacidade de autocura do indivíduo.

Dessa forma, o método está baseado no princípio de que o nosso corpo tem uma capacidade de recuperação, que pode ser aumentada por meio dos estímulos. O osteopata, por meio da intervenção manual, estimula os tecidos e assim consegue intervir nos sistemas do músculo esquelético, visceral, cranial e metabólico.

Osteopatia é indicada pela OMS

Os resultados do tratamento osteopático já foram comprovados, tanto que a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu como prática de saúde e incentiva a sua utilização. Aqui no Brasil, a regulamentação é feita pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito), responsável por qualificar o fisioterapeuta como profissional habilitado a ter essa especialização.

O método da Osteopatia foi criado no final do século 19 pelo médico americano Andrew Taylor Still. Durante a guerra civil americana, ele observou e depois investigou a correlação existente entre as patologias e, em seguida, as suas manifestações físicas. 

O diagnóstico é individual, considerando as características de cada paciente e as suas próprias disfunções. A consulta inicial dura mais ou menos uma hora e, a partir dela, o osteopata determinará o número de sessões necessárias e o intervalo entre elas.

A osteopatia é uma terapia que pode ser usada em qualquer idade e não apresenta efeitos colaterais. O paciente também não precisa tomar medicamentos. Uma recomendação é que pacientes portadores de algumas patologias mais graves devem consultar o médico antes de começar o tratamento. 

Dominiques… recorrer à osteopatia é bom e você pode obter ótimos resultados. Mas lembrem-se que essa terapia não cura os problemas diagnosticados. A melhora pode, sim, acontecer em consequência de uma série de estímulos feitos que colaboram no tratamento. É um trabalho conjugado entre médico e osteopata. 

Osteopatia para Dominiques

Você já deve estar imaginando como a osteopatia pode te ajudar com alguns problemas ou dorzinhas do dia a dia, né? Há diversos benefícios para as mulheres de mais de 50 anos, independente se passou ou não pela menopausa. Quer ver:

  • pode ajudar nas dores das articulações e amenizar aquela sensação de estar enferrujada;
  • na menopausa, os tecidos encolhem enquanto músculos e ligamentos são alongados causando dor. A osteopatia ajuda em restabelecer a mobilidade articular;
  • pode reduzir as dores de cabeça, tão frequentes para algumas mulheres durante a menopausa
  • contribui no tratamento contra a depressão, proporcionando equilíbrio entre corpo e mente e proporcionando o bem-estar.

Em suma, esses são apenas alguns benefícios que a osteopatia pode proporcionar para as Dominiques. Depois me conta o que você achou e quais tratamentos alternativos costuma fazer!

Mais sobre saúde para Dominiques

Vamos discutir sobre reposição hormonal?

Pode culpar a menopausa pelos seus lapsos de memória

* Flavia Lèbre é osteopata e tem consultório em São Paulo.

1 Comentário

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Os fatores que contribuem na redução da libido, além da menopausa!

A menopausa causa uma série de mudanças no corpo da mulher em virtude das flutuações hormonais. Até mesmo as mais jovens, na pré-menopausa, podem sentir alguns sintomas. Uma das queixas mais comuns é a redução da libido. A diminuição do desejo sexual é, também, uma questão delicada e complexa. 

O mecanismo de atração da mulher é influenciado por fatores externos e psicológicos. A ginecologista Rita Dardes, que conversou recentemente conosco sobre reposição hormonal (aqui), explica que a libido não é influenciada apenas pelos hormônios. “A mulher funciona diferente. Em primeiro lugar, ela precisa ser aquecida e estar bem. Fatores externos influenciam muito”, destaca. 

A dra. Rita coordena o Ambulatório de Climatério da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), onde também é professora adjunta do Departamento de Ginecologia. Ela conta que o tema é recorrente e por vezes instiga uma conversa de mais de uma hora com suas pacientes. Também é essencial romper a vergonha de falar com a médica. 

A falta de desejo pode estar ligada à diminuição dos hormônios testosterona, estrogênio e progesterona. Hoje, há recursos modernos e mais seguros a fim de ajudar as mulheres a enfrentar essa fase. A dra. Rita explica que a reposição hormonal é o principal. 

Ela costuma utilizar a testosterona no tratamento de suas pacientes. O medicamento deve ser formulado e só pode ser utilizado se associado à terapia hormonal completa. Como a reposição não é recomendada a todas as mulheres, a ginecologista recomenda a conversa com o médico de confiança. 

Como enfrentar a queda na libido

“Mas não é verdade que o hormônio vai melhorar 100% o problema”, evidencia a ginecologista. Uma vez que a libido envolve fatores psicológicos, é fundamental entender o que mais está impactando na vida da paciente. 

A baixa libido pode estar relacionada a problemas no relacionamento, como por exemplo brigas constantes. Além disso, rotina estressante bem como pelas dificuldades materiais, como falta de trabalho ou dinheiro, também influenciam o bem-estar. 

Outras mulheres sofrem as consequências de problemas físicos, como a secura vaginal. O impacto na vida sexual é grande. Muitas mulheres sentem-se culpadas ou mesmo ficam com vergonha de dividir o problema com seus parceiros. Neste caso, o laser pode ser um aliado da paciente. Já falamos dele aqui

Antes de prescrever a reposição hormonal, a dra. Rita esclarece que é fundamental mostrar o impacto desses fatores externos. Algumas vezes, a recomendação é que a paciente mude o comportamento. “Ela pode apimentar o relacionamento com brinquedinhos, comprar uma lingerie nova ou trocar mensagens quentes com o parceiro”, sugere. 

Outra mudança que a mulher pode fazer está relacionada ainda ao seu estilo de vida. Dessa forma, a prática de exercícios físicos faz bem ao corpo e à cabeça. Cuidar-se também influencia na autoestima bem como no bem estar geral. Enfim, a menopausa é uma fase de transformação e pequenas adaptações pode fazer toda a diferença na vida da mulher.

Um estímulo para a vida sexual

Temperar a vida sexual já é um assunto corriqueiro por aqui. Qualquer Dominique sabe que a vida sexual pode não ser a mesma que o vivido anos antes. Do mesmo modo, também não é para o parceiro! Vale mesmo é deixar todos os tabus de lado e vivenciar coisas novas. Por que não, hein?

Você já ouviu falar sobre a Massagem Tântrica? Já falamos aqui que também é uma baita terapia alternativa bem como pode melhorar o sexo. Topa tentar?

Quem gosta de apimentar a relação, contamos aqui a história de um casal que ousou muito para aquecer o fogo dos velhos tempos. Você não vai acreditar na aventura que eles criaram. 

Você já experimentou usar um brinquedinho para apimentar o relacionamento? Contamos aqui as aventuras de três Dominiques em sua primeira visita a uma Boutique Sensual. Uma história imperdível. 

Às vezes, um livro pode instigar a sua imaginação e ser bem estimulante. Já pensou em incluir a literatura erótica na sua rotina de leituras? Confira aqui os 10 melhores livros apimentadíssimo.

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Polêmico e importante. Vamos discutir sobre a reposição hormonal?

Este é um dos temas mais polêmicos envolvendo a menopausa. A reposição hormonal ainda divide opiniões entre as mulheres e até entre os médicos. De tratamento promissor, recebeu diversas críticas pelo fato de ser associado ao diagnóstico de doenças graves. No entanto, não deixa de ser um das questões mais importantes para discutir, quando falamos sobre a saúde da mulher. 

Por isso, conversamos com a dra. Rita Dardes para dividir com vocês informações relevantes sobre a reposição hormonal. A dra. Rita é ginecologista e professora adjunta do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Lá, ela também coordena o Ambulatório de Climatério. 

Em primeiro lugar, um aviso! Não conversamos sobre casos específicos. A dra Rita foi muito enfática em recomendar que a paciente discuta o seu caso com seu médico de confiança. Cada mulher carrega consigo um perfil fisiológico e um histórico de saúde. O tratamento é individual. 

A boa notícia é que hoje dispomos de recursos cada vez mais modernos para lidar com os processos deletérios da maspassa. “Não raro, a mulher estava fadada a viver com os problemas causados pela menopausa”, afirma a dra. Rita. Da mesma forma, ninguém conversava sobre ela.

Hoje, o assunto menopausa já não é mais um tabu ainda que provoque algumas dúvidas. Certamente, todas as mulheres vão passar por esse processo fisiológico, que acarreta importantes mudanças metabólicas e físicas. “Podemos abreviar de fato muitos sintomas com um tratamento adequado e dentro da expectativa de cada paciente”, conta a dra Rita. 

Dessa forma, a qualidade de vida da paciente pode melhorar muito. “Ninguém merece sentir inesperadamente o fogacho no meio de uma reunião de trabalho”, reconhece a ginecologista. A dra. Rita é a favor de fazer a reposição hormonal, mas dentro de um quadro bem determinado da paciente. 

Quem pode fazer a reposição?

A dra Rita explica que há cinco questões fundamentais para a paciente conversar com o seu médico antes que tome uma decisão. Estes quesitos são amplamente discutidos com os futuros médicos, em suas aulas na Unifesp. “Somente com a resposta a essas perguntas podemos determinar se a mulher pode ou não fazer a reposição hormonal”, explica a dra. Rita. 

# 1 – A paciente é sintomática?

A maioria das mulheres sofre (e muito!) com os sintomas da menopausa. Pouquíssimas passam por esse período sem sentir algum mal estar. A reposição ajuda a restaurar a qualidade de vida em todos os sentidos. Os sintomas mais frequentes são: fogachos (já falamos aqui), secura vaginal (e aqui), redução da saúde óssea, melhoria cognitiva (memória), qualidade do sono, entre tantos outros. 

# 2 – Está dentro da Janela de Oportunidade?

Há um período específico em que a mulher pode receber e usufruirá com segurança dos benefícios da reposição hormonal. É a chamada Janela de Oportunidade, que compreende o início da transição menopausal até no máximo 10 anos da última menstruação. O início da transição é aquela fase quando começam as falhas menstruais e os ciclos ficam malucos. A menopausa é determinada quando a paciente completa 12 meses de amenorréia (sem menstruar). 

# 3 – Existe alguma contra-indicação absoluta?

Infelizmente, há alguns quadros clínicos em que a mulher não poderá fazer a reposição hormonal. Enquadram-se nessa situação, sobretudo, quem teve AVC, câncer de mama, infarto agudo, diabetes irregular, hipertensão arterial irregular, doença autoimune, entre outras condições. Por isso, fica um alerta para quem ainda não passou pelo processo. A prevenção é fundamental! 

# 4 – A paciente quer fazer a reposição hormonal?

Sim! Há mulheres que não querem correr nenhum risco ou mesmo não sofrem tanto com os efeitos da menopausa. É necessário ter o desejo de passar por esse processo. Após avaliar com o seu médico os prós e contras, apenas a paciente deve tomar a decisão. 

# 5 – Está com todos os exames em dia e em ordem?

É preciso uma avaliação completa das condições de saúde da paciente antes de iniciar o tratamento com reposição hormonal. Os exames precisam estar em dia e a dra Rita não abre mão disso. Ah, e o acompanhamento também é essencial. 

É importante fazer essa análise criteriosa antes de optar pelo tratamento com os hormônios. Há estudos que demonstraram o aumento na incidência de infarto miocárdico, derrame cerebral e câncer de mama. Tome a sua decisão com informação e consciência. 

A dra Rita Dardes é Dominique e ginecologista em São Paulo.

Outros conteúdos sobre a Maspassa

Caduca, não. Você pode culpar a menopausa por seus lapsos de memória

O Manto da Invisibilidade

5 Comentários
  1. Tive um cancer de mama há 20 anos Tinha 40 anos e continuo com afrontamentos. Passo umas noites muito más o que poderei fazer?
    Obrigada

    1. Estou preocupada com a perda óssea, hormonios e menstruação ainda normais, mas apresentei um inicio de osteopenia,52 anos.

  2. Acho que reposição hormonal, no meu caso, está fora de cogitação: minha mãe teve câncer de mama (ao que tudo indica, por causa da reposição) e não quero sofrer esse risco…

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Caduca, não! Pode culpar a menopausa por seus lapsos de memória

Estes dias, a Eliane Cury Nahas perdeu o carrinho no supermercado. Bom, ela mesma considera que talvez o carrinho nunca tenha saído do lugar, só esqueceu onde o estacionou. A Eliane compartilhou sua desventura no nosso Grupo no Facebook (já faz parte?) e outras Dominiques se solidarizaram. 

A Bernardete Amaral foi ao hortifruti e comprou rúcula, manga e tomate seco. Voltou para casa e só achou a rúcula. Sua hipótese mais provável: colocou os itens no carrinho de outra pessoa. A Valéria Couto perdeu o lanche no pátio de alimentação do shopping. A vendedora foi solícita e ajudou na busca. Eis que surge um moço e mostra o sanduíche (atenção!) na mesma mesa onde ela havia deixado desde o princípio. 

Você se identificou com essas histórias? Quase todas as Dominiques já passaram por algo semelhante. Problemas como o esquecimento ou dificuldade de concentração são descritos com frequência pelas mulheres antes e após a menopausa. Embora sejam sintomas conhecidos deste período, vivenciar esses episódios ainda assusta as mulheres após os 40 anos.

Muitas delas consultam o médico com relatos como perda de memória progressiva ou falta de atenção com receio que os sintomas sejam indícios de Alzheimer ou demência. Sabe o mais grave? Médicos ainda fazem o diagnóstico errado. E isso não ocorre só no Brasil, não!

Diagnóstico incorreto

Conversei com a dra. Gayatri Devi, do departamento de neurologia do hospital Lenox Hill, em New York. Ela publicou um artigo na revista científica Obstetrics & Gynecology sobre “como identificar as alterações cognitivas associadas à transição da menopausa evitando a atribuição incorreta de sintomas como doenças neurodegenerativas.” O estudo completo está aqui

A dra. Devi contou que 60% das mulheres apresentam um déficit cognitivo relacionado à menopausa. No estudo, ela associou os sintomas à redução do hormônio estrogênio no corpo das mulheres após essa faixa etária. Os efeitos podem ser mais ou menos intensos dependendo da sensibilidade da pessoa. 

O diagnóstico médico é fundamental. Mas antes de ficar preocupada ou fazer exames complexos, a dra. Devi sugere que as pacientes sejam persistentes com seus médicos. “Muitos profissionais desconhecem a associação desses sintomas ao período da menopausa. E isso pode dificultar o prognóstico correto. O papel da paciente nessa situação é educar”, explicou a dra. Devi, na entrevista que fiz com ela por e-mail.  

As alterações cognitivas ocorrem na perimenopausa, cerca de 7 anos antes e por volta de 5 anos depois da menopausa. Ela recomenda que a paciente insista com o médico para considerar a transição da menopausa como uma das causas da perda de memória ou atenção. A dra. Devi ainda sugere que, antes de outros procedimentos, a paciente peça ao médico para ser avaliada por testes cognitivos ou com um estudo empírico com hormônios para verificar se os sintomas melhoram. 

Mas atenção! O diagnóstico correto do médico é fundamental. Converse com o profissional da sua confiança. Você pode procurar ajuda tanto de um ginecologista quando um neurologista para ter a certeza sobre seu momento de saúde. 

O tratamento pode ser rápido. Uma parte envolve remédio. Mas você também pode dar aquela ajuda! Preste atenção nas dicas:

  • treine o corpo e a cabeça! Já falamos aqui sobre os exercícios da Oficina da Memória (aqui);
  • mantenha uma vida social ativa;
  • tenha uma dieta saudável;
  • não fume; 
  • consuma álcool com moderação;
  • cuide do seu colesterol, do peso e da pressão arterial (ajuda a proteger seu cérebro);

Outros posts sobre Memória

Será que ter uma memória seletiva é ruim?

O lado bom da menopausa

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Papo de mulher! Vamos falar de laser íntimo e rejuvenescimento?

Dominique - Laser
Meninas, chegou a hora! Não foi nem uma, nem duas Dominiques. Várias me pediram para falar sobre Laser íntimo. Nunca é fácil falar sobre sexo e sexualidade. Não sei bem porque. A simples palavra Vagina, já constrange. Genteeee! Que bobagem! Somos todas mulheres adultas e sabidas.

E a medicina avança a passos largos para nosso bem estar. Não podemos ficar desinformadas por vergonha. Então resolvi contar o que é e quais são os benefícios do Laser íntimo que vem sendo chamado de Laser do Desejo!

Como não sou especialista, fui falar com quem entende e conversei com dois ginecologistas. Isso 2. Por que dois? Quis conversar com um homem e com uma mulher. Acho que me senti mais à vontade com uma mocinha na sala para fazer as perguntas que fiz.

Mas meninas, atenção, não tenho o menor problema em fazer qualquer procedimento com um DR. kkkk!

Vamos lá?

Conversei Com o Dr. Alexandre Pupo Nogueira e a Dra. Mariana Sadalla.

Dominique – Já ouvi falar de laser para o rosto. Aliás já fiz até alguns. Mas o íntimo pra mim é novidade. Para que serve?

Dra. Mariana – Dominique, o princípio do Laser íntimo é o mesmo do facial, ou seja, melhorar o tônus vaginal em um procedimento não invasivo.

Dominique – Então tem uma função estética?

Dr. Alexandre – Este é um dos benefícios do laser. Mas existem outros muito significativos. A mulher na pré e pós-menopausa sofre demasiadamente com alguns sintomas muito chatos como ressecamento, fragilidade e perda da elasticidade da mucosa vaginal. O laser, recupera o colágeno, assim como no rosto, devolvendo elasticidade, umidade além de um aspecto jovem da vulva e da vagina.

Dra Mariana – Nós, Dominiques, namoramos, trabalhamos, nos exercitamos, muitas de nós ainda com filhos em idade escolar, porém os hormônios nem sempre nos acompanham.

Dominique – Então, as dores na relação…

Dr. Alexandre – Elas amenizam senão acabam após três sessões de laser. Mas existe ainda um benefício talvez tão importante ou mais. Algumas mulheres sofrem absurdamente com pequenos escapes de urina ou o que chamamos de incontinência urinária. O tratamento ameniza ou até mesmo elimina este desconforto dependendo do caso.

Dra. Mariana – A mulher recupera a autoestima em vários sentidos. Ela se fortalece. Nesta idade, precisamos nos fortalecer e principalmente nos gostar.

Dominique – E dói?

Dr. Alexandre – Não! O laser é feito em consultório, com anestesia local e dura menos de 30 minutos. Minhas pacientes relatam um leve desconforto, mas nada demais.

Dominique – Uma sessão é suficiente?

Dra. Mariana – Não, são três sessões. Uma por mês ao longo de três meses.

 

MÉDICOS
Dra. Mariana de Andrade Sadalla
Ginecologista – Obstetra

Dr Alexandre Pupo Nogueira
Ginecologista • Mastologista • Obstetra
Diretor Clínico da Clínica Prof Dr Jorge Souen

Leia mais:

Você acha que a menopausa tem lado bom? Tem sim!
Quando eu crescer e envelhecer pra valer, quero ir para um asilo!

33 Comentários
  1. Boa noite,
    Já fiz 3 sessões e não estou tendo resultados, a Dr pediu que eu fizesse mais 1 sessão, estou preocupada de não resolver.

    1. Vera boa tarde! Vamos dar uma pesquisada em médicos aí em Foz pra te informar!
      Renata, a grande maioria das pacientes que fizeram as 3 sessões tanto no HC aqui em SP , como na nossa Clínica , tiveram resultados super positivos. Após as 3 primeiras sessões com intervalo de 1 mês entre elas, as pacientes fazem apenas uma sessão anual para manutenção. E como falei, as respostas têm sido ótimas!

    2. Boa tarde
      Gostaria de saber aqui em Foz do Iguaçu qual o médico (a) que faz este procedimento e valores
      Obrigada
      Vera

  2. Gracielle, a melhor coisa é vc dar uma checada com seu ginecologista de Bh. Até pq , o laser deve ser feito por um gineco!

  3. Boa tarde Dominiques!
    Neusa, desculpe a demora do retorno mas lancei sua pergunta pra equipe e os médicos não conhecem nenhum ginecologista que faça o laser íntimo na região do ABC..aguardei um tempo pra eles darem uma pesquisada mas realmente não encontraram nenhum colega aí do ABC.
    Marília,o procedimento dura em média 30 minutos, super tranquilo. São 3 sessões com intervalos de 30 dias e depois disso os médicos recomendam 1 sessão anual como manutenção.
    Preços são tratados direto na Clínica com a administração! Fique à vontade, as recepcionistas tiram suas dúvidas!

  4. Gostaria de saber quanto temo dura, vou ter que repetir o procedimento após quanto tempo? Gostaria de saber também o preço?

  5. Neusa, boa noite!!
    Vou dar uma pesquisada pra vc tá?!
    Talvez nossa equipe conheça alguém inclusive aí da Faculdade de vcs mesmo. Dou notícias logo mais…

  6. Legal Andreia!! Certeza que vc vai amar! Mas espere as 3 sessões. Em geral o resultado final acontece mesmo depois da terceira aplicação!

  7. Fiz minha primeira sessão….ansiosa pelos resultados.
    Fiz em Brasília com Dra. MARCELA DE BRITO, minha ginecologista maravilhosa.

    1. Andrea Maria, gostaria de saber qual foi sua experiência pessoal em relação a elasticidade e lubrificação. Na primeira sessão sentiu melhora? Grata.
      Renata

  8. Marilia, muito provavelmente deve ter em Goiânia sim. O sucesso do laser íntimo está sendo cada vez mais reconhecido e portanto vcs já devem tê-lo por aí…como mencionamos, a melhor pessoa para te indicar o local e profissional adequados em sua cidade é seu ginecologista de confiança, de Goiânia mesmo. Sempre reforçando que o procedimento deve ser realizado por um ginecologista, isto é imprescindível. Caso ele não saiba, posso pesquisar pra vc! Trabalho na área..bjs

  9. Tem esse tratamento em Goiânia? Pode me indicar um médico ou clínica que faz este tratamento?

  10. adorei saber disso, esses ressecamentos são muito ruins, e algo que deveria ser prazeiroso se torna uma tortura, vou ver isso. obrigada

    1. Andréa, o laser íntimo engloba outras necessidades referente ao crescimento dos lábios e estética vaginal como um todo? No uso continuo de hormônios percebi o crescimento desproporcional de ambos os lábios e flacidez. Seria feito com o mesmo médico ginecologista?

  11. Carmen e Virgínia , segundo os médicos da nossa equipe, o ideal é que cada paciente se informe diretamente com seu ginecologista de confiança e de seu estado, sobre o local onde fazer o procedimento. Na opinião deles, é muito importante que um ginecologista acompanhe o procedimento e indique com real conhecimento e vivência tanto o local quanto o médico ginecologista que realizará o laser, caso ele mesmo não o faça.
    Fora da capital ,eles ainda não acompanharam nenhum resultado para que pudessem fazer alguma indicação pontual. Só realmente recomendam a presença e a orientação de um ginecologista.

  12. Moro em Natal RN, vcs poderiam me informar se aqui tem algum médico que faça esse tratamento?

  13. Para a matéria estar mais completa poderia constar de que cidade são os profissionais e indicações de clínicas e/ou consultórios em outras capitais que realizam o tratamento .Facilitaria, grandemente….

    1. Carmen, tudo bem? Ambos os profissionais são de São Paulo/Capital. São médicos da Clínica Prof.Jorge Souen.Como trabalho na parte administrativa da Clínica posso checar indicações em outras cidades com a equipe. Respondo aqui logo mais, abs!

  14. Débora, pode sim. O Dr. Alexandre vai te responder com mais detalhes.
    A orientação que recebemos na Clínica é que a paciente só não pode realizar o procedimento caso esteja apresentando alguma alteração no resultado do Papa Nicolaou na ocasião.

  15. Lúcia, bom dia!!
    Trabalho na área médica, especialmente na ginecológica.
    Em nossa clínica o laser é feito por ginecologistas, obrigatoriamente. Cada ginecologista faz o procedimento em suas pacientes.

    1. Bom dia Lucia. Idealmente deve ser feito pelo ginecologista. Tem que avaliar se esta com papanicolau em dia e sem sinais de infecção.

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.