Entretenimento

O risco e os cuidados para evitar cair em fake news

Você sabia que há algo ainda mais grave que a fake news? Antes de eu te dar uma resposta, assista este video. Só encontrei a versão com legendas em inglês, mas coloquei parte da tradução abaixo. 

Olá, hoje eu vou falar com vocês sobre uma nova tecnologia que está afetando pessoas famosas. Lembra quando o Obama chamou o Trump de imbecil? 

Obama: Completo Imbecil.

Ou a Kim Kardashian usou uma linguagem rude?

Kim: Porque estou sempre meio pelada.

Ou quando o Arnold Schwarzenegger personificou ele mesmo?

Arnold: Saia dai. Tem uma bomba aí dentro.

Fake! Fake! Fake!

As imagens iniciais do video são Deep Fake. Inclusive a apresentadora, que utilizou o rosto da cantora Adele, para mostrar como é fácil adulterar a imagem de uma pessoa em um video. 

Deep Fake são arquivos de áudio ou video que simulam a voz ou a imagem humana, mas que foram criados a partir da inteligência artificial. Parecem verdade e são compartilhados como uma versão original. Mas foram totalmente criados com os mais diferentes objetivos. São falsos!

Experts conseguem identificar os indícios de que há algo errado. Mas para nós – leigos – é quase impossível de perceber. Por enquanto, o acesso a tecnologia que produz o Deep Fake está restrita a poucas pessoas. Por enquanto…. Você consegue enxergar o risco potencial?

Há um modo de barrar (pelo menos um pouco) o uso errado e nocivo destas novas tecnologias. Está nas nossas mãos, mas infelizmente não estamos conseguindo lidar com uma ameaça um pouco mais simples que essa. Eu me refiro as Fake News. 

Notícia falsa sempre existiu. No cinquentenário do homem na lua fiz um post (aqui) sobre fake news envolvendo o espaço. Dá para ir mais longe ainda, na antiguidade. O problema tomou outra dimensão com a ascensão da internet e das redes sociais. Compartilhar uma informação falsa é muito fácil. Criá-la, então, é mais simples ainda. 

Você não tem culpa (mas tem!)

É quase uma praga mundial. Nós ajudamos a espalhar, mas muitas vezes fazemos isso com boas intenções. Acreditamos tanto em alguma informação (ou esperamos que seja verdadeira) que compartilhamos a notícia com um propósito “nobre”. 

– Estou fazendo a minha parte!, muitos dizem.

Aí está o cerne do problema da Fake News. Ela sempre encontra quem irá ressoa-la para grupos com características parecidas. Esses grupos ganharam até um nome: são as bolhas. Agora, a notícia vai ser espalhada em uma velocidade espantosa. É praticamente impossível desmentir. 

Não quero focar na clara intenção de políticos, organizações ou  empresas em espalhar notícias falsas por um objetivo específico. Também não vou acusar as redes sociais (ou o whatsapp) por facilitarem na divulgação das fake news. O mundo sempre funcionou a base de estratagemas e fofoca. 

Quero destacar como nós – Dominiques – podemos contribuir para não piorar ainda mais este problema chamado Fake News. Independente se achamos uma notícia positiva ou negativa, se concordamos ou discordamos dela, devemos levar a dúvida se ela pode ser uma informação falsa. 

Claro que todo mundo está suscetível a cair numa fake news. Provavelmente já caímos em muitas delas e até hoje não nos demos conta disso! Mas podemos evitar, tomando algumas atividades bem simples:

# 1 – Procure visitar o site com a origem da informação. Há vários jornais que foram criados exclusivamente para disseminar informações falsas. Claro que jornais conhecidos podem divulgar informação errada. Mas há algo de errado se você visita um site e não sabe quem é o responsável por ele. Também levanta suspeitas se as notícias divulgadas são sensacionalistas. Há um mercado por trás destes acessos todos: Sites de notícias falsas faturam mais de 200 milhões em publicidade

# 2 – Vale a pena fazer uma busca pelo nome do jornalista que escreveu a notícia, caso você não o conheça. Dê uma olhada em redes sociais dele, lá ficará claro qual é tendência e no que ele acredita. Algum tempo atrás, um jornal foi acusado de criar colunistas falsos. Era até fácil de constatar isso, dois deles não existiam nas redes sociais antes de 2018. 

# 3 – Faça uma pesquisa nos sites das empresas de checagem de fatos. Elas são monitoradas por instituições internacionais e utilizam métodos de verificação e análise idôneos. Alguns deles são:

  • Fato ou Fake é uma iniciativa do Grupo Globo para verificar conteúdo suspeito nas notícias mais compartilhadas da internet. A apuração é feita pela equipe da CBN, Época, Extra, G1, TV Globo, GloboNews, Jornal O Globo e Valor Econômico.
  • Comprova é um projeto de checagem de fatos que conta com o trabalho em equipe de jornalistas de 24 diferentes veículos  para descobrir e investigar informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas sobre políticas pública.
  • Aos Fatos é uma agência especializada na checagem de fatos também membro da The International Fact-Checking Network  (IFCN) e contratada pelo Facebook. 
  • Agência Lupa, ligada ao jornal Folha de S. Paulo, confere as informações divulgadas no jornal e sinaliza com os selos: “verdadeiro”, “verdadeiro, mas”, “ainda é cedo para dizer”, “exagerado”, “contraditório”, “subestimado”, “insustentável”, “falso” e “de olho”.
  • E-Farsas é o mais antigo serviço de verificação de notícias falsas, lançado em 2001. Segundo o portal, a iniciativa surgiu “com a intenção de usar a própria internet para desmistificar as histórias que nela circulam”. 

# 4 – A qualidade do texto também pode indicar que a notícia é falsa. Alguns erros ortográficos, o uso de verbos auxiliares e advérbios são alguns deles. Adjetivos muito fortes tendem a deixar a notícia parcial, o que não é comum em notícias jornalísticas. O uso excessivo desses atributos da linguagem pode denunciar a informação. 

Fake news é um problema bem grave e há um futuro pela frente que parecer ser ainda mais danoso. Do nosso lado, podemos fazer pouco. Mas isso já será muito para impedir a disseminação das notícias falsas.

Dominiques: vamos tomar cuidado!

3 Comentários
  1. Sou Muito cética. Sempre dou uma pesquisada no assunto pra ver se é verdadeiro. Já alertei muito sobre fake News!

  2. Sou Muito cética. Não acredito em nada. Sempre dou uma pesquisada no assunto pra ver. Já alertei muito sobre fake News.

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

As deusas (e o deus) da primavera

Já primaverou por aqui. Tenho tudo para acreditar que a primavera é a melhor estação do ano. O que você acha? Primeiro porque é cheia de significados: energia, alegria, renovação e recomeços. Dizem que é uma boa época para começar novos projetos ou tirar ideias da gaveta. Tem, também, a melhor temperatura do ano. 

Como adoro histórias, fiquei curiosa e fui pesquisar sobre os deuses da primavera. Descobri que a maioria é representada por mulheres. As tradições mais antigas celebravam as deusas da fertilidade, que simbolizavam o brotar da nova vida. Por isso, elas também estão associadas ao amor. 

Cada mitologia tem uma história diferente para narrar a lenda de sua deusa da fertilidade. Selecionei alguma delas para compartilhar com vocês. 

As Deusas da Primavera

Mitologia Grega

Cibele é também chamada de “Mãe dos Deuses” porque simbolizava a fertilidade da natureza. Também representa a vida selvagem (senhora dos animais) e o ciclo de vida, morte e renascimento (deusa dos mortos). Segundo os gregos, ela seria uma reencarnação da Deusa Reia, a mãe de Zeus e de todos os deuses do Olimpo. Cibele continuou sendo adorada mesmo após a invasão romana. 

Perséfone é a deusa da agricultura, das estações, das flores, dos frutos, das ervas e da fertilidade. Também é conhecida como a deusa do submundo. Conta a lenda que ela era muito bonita e foi raptada pelo seu tio Hades. Levada para o submundo, foi ludibriada a comer uma romã, que selou o seu casamento e sua permanência lá em um terço do ano. Seu mito foi muito utilizado para explicar as estações do ano. Durante os meses da primavera, verão e outono, Perséfone podia voltar a terra e, assim, fazia florescer. No inverno, ela retornava para o submundo e o solo ficava infértil. 

Mitologia Romana

Flora é a deusa que representa a natureza e a potência do fazer florir e florescer. Conta a lenda que, num dia de primavera, Flora foi raptada pelo deus do vento (Zéfiro) para casar. Como recompensa, ele concedeu à Flora o reinar sobre as flores e os campos cultivados. A deusa, como presente aos homens, ofertou o mel e as sementes. Na mitologia grega era chamada de Clóris. 

Mitologias anglo-saxã, nórdica e germânica. 

Eostre ou Ostera é a deusa da fertilidade, do amor e do renascimento. O nome estava relacionado à aurora e, por isso, também foi associado à luz crescente da primavera, um momento alegre e abençoado para a terra. Os símbolos de Eostre são a lebre, os coelhos e os ovos que, juntos, representam o poder gerador e o começo da vida. Foi dos cultos pagãos que originou-se a palavra Páscoa que é Easter, em inglês, e Ostern, em alemão. A origem da Páscoa é hebraica e vem de Pessach. Porém alguns ritos e costumes da celebração foram absorvidos nas comemorações judaico-cristãs, tais como o ovo e o coelhinho da Páscoa. O festival Eostre é celebrado em 30 de março. 

Freya é a deusa nórdica do Amor, da fertilidade, das flores e da vida. Descrita como uma mulher bela e atraente, Freya também é considerada a deusa da beleza, da sensualidade, da atração, da luxúria, do ouro, da guerra, da morte e da música. Conta a lenda que suas lágrimas derramadas transformavam-se em ouro na terra e em âmbar no mar. 

E o Deus da Primavera

Mitologia Egipcia

Osíris é o deus do renascimento, da ressurreição, da justiça e da fertilidade. Ele é cultuado como o deus da agricultura, uma vez que o processo de plantar implica na colheita (morte), no semear e no renascimento (vida). Na mitologia egípcia, Osíris teria ensinado aos homens as técnicas necessárias para a civilização, para a agricultura e para a domesticação de animais.

Outro post sobre a primavera

Faça Você Mesma Lindos Arranjos de Flores

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Os podcasts preferidos das Dominiques

Você gosta de escutar podcasts? Essa foi a pergunta que eu fiz no nosso grupo das Dominiques no Facebook (já faz parte?). Missão dada, missão cumprida. Várias Dominiques responderam, compartilhando com todas quais são os seus programas favoritos. Para facilitar, organizei todas as recomendações nesse post aqui!

Pra quem ainda não sabe, os podcasts são como programas de rádio. A diferença é que os arquivos de áudio ficam disponíveis pela internet por tempo indeterminado. Além do site, dá pra escutar também por aplicativos específicos para podcast ou os de música como o Spotify ou o Deezer. 

Outra vantagem é que qualquer pessoa pode ter um programa e sobre qualquer tema! É aí que está todo o charme do podcast. Antes, a gente só escutava programas mantidos por empresas de notícias. Passava num dia e num horário e, se perdesse, perdeu! 

Com o podcast você pode escutar em qualquer dia e horário. Dá até para conectar pelo celular e escutar enquanto faz alguma atividade ou no carro. Adoro escutar fazendo ginástica. Há programas sobre temas super específicos, como o Mitografias que trata sobre mitologias, entre outros assuntos. 

Você também pode selecionar o programa a partir do seu apresentador favorito. Eu particularmente adoro essa parte, porque tem alguns deles que eu realmente não vou com a voz! Adoro escutar alguns apresentadores, como a dupla do Mamilos. Elas são irreverentes, sem pudores ou preconceitos!

As empresas de notícia correram para criar os seus próprios podcasts, a partir de programas regulares. Várias Dominiques indicaram programas já conhecidos de rádio ou da televisão. A recomendação da maioria foi de podcasts sobre temas gerais ou estilo de vida.

Podcasts para Dominiques

Escola da Vida

O filósofo e educador Mário Sergio Cortella conduz esse podcast todas às terças e quintas-feiras na rádio CBN. Ele traz reflexões sobre fatos e temas diversos, mas sempre atuais. 

Escute aqui

Em Movimento

O jornalista Victor Ferreira conversa com especialistas sobre temas ligados ao futuro. Ele aborda questões diversas, como mobilidade, educação, trabalho, cidades inteligentes, big data, ética e privacidade digital.

Escute aqui

Quem Somos Nós

Comandado pelo Celso Loducca, o podcast é uma parceria entre a Casa do Saber e a Rádio Eldorado FM. O bate-papo traz diferentes pontos de vista sobre temas como ciência, filosofia, história, economia, religião ou política.

Escute aqui

Mitografias

Neste site você terá acesso a 5 podcasts, com muitas informações  sobre mitologias, religiões, psicologia, história e filosofia. 

Escute aqui

Café Brasil

Comandado pelo jornalista Luciano Pires, o podcast faz uma curadoria de assuntos relacionados à vida em sociedade. Entre outros, fala-se sobre comportamento, cultura, economia, saúde, educação, liderança, empreendedorismo e muitos outros temas.

Escute aqui

Autoconsciente

É conduzido pela coach e instrutora de mindfulness Regina Giannetti D. Pereira. É um podcast para você entender melhor a sua mente e as emoções. 

Escute aqui

Mamilos

É um podcast semanal que discute os temas polêmicos apresentando diversos argumentos e diferentes visões para que os ouvintes formem sua opinião de maneira crítica. É conduzido pela Juliana Wallauer e pela Cris Bartis. 

Escute aqui

Maria Vai com as Outras

Apresentado por Branca Vianna, o podcast aborda questões diversas sobre as mulheres e o mercado de trabalho. 

Escute aqui

Jornal da Manhã

Da Jovem Pan, é conduzido pelo  Thiago Uberreich e outros jornalistas para comentar os principais assuntos do dia.

Escute aqui

Os Pingos nos is

Também produzido pela equipe da Jovem Pan. Os jornalistas Augusto Nunes, Felipe Moura Brasil e José Maria Trindade comentam as princpais notícias do Brasil e do mundo.

Escute aqui

Café da Manhã

Produzido pelo jornal Folha de S. Paulo, em parceria com o Spotify, o podcast comenta as principais informações do dia. É apresentado pelos jornalistas Rodrigo Vizeu e Magê Flores. 

Escute aqui

Nosso Podcast

Ano passado produzimos o podcast Turning Point. Escute aqui.

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

As vantagens e as desvantagens de ser uma Dominique

As Dominiques foram chegando quietinhas ao prédio do We Work, em São Paulo, para o nosso encontro. Nem pareciam as mesmas mulheres que uma hora depois estariam falando juntas, conversando e dando muitas risadas. Algumas já se conheciam, outras era a primeira vez num encontro organizado de e para mulheres de mais de 50 anos. 

Foram 3 horas de um bate-papo descontraído, mas muito inspirador e estimulante. E porque não usar o neologismo “empoderador”, já que somos mulheres com vigor e energia de sobra? A sala estava lotada. Mais de 40 Dominiques participaram do encontro. 

O encontro foi realizado num espaço para eventos do escritório compartilhado We Work, onde fica o QG da Dominique. Duas sortudas  ainda ganharam de presente do pessoal do cowork dois lugares para trabalhar de graça por um mês. Tá bom ou quer mais? Tem mais sim: a Dominique Luciene Felix Lamy presenteou outras duas Dominiques com leitura de mapa astral. 

A conversa começou por uma discussão bem rica. A Dominique Eliane Cury Nahas perguntou sobre a sensação de ter mais de 50 anos nos dias de hoje. A maioria sabe que os rótulos de antigamente já não nos servem mais. Ninguém se sente uma “senhorinha” ou quer parecer uma idade que já ficou para trás. 

Todas concordaram que muita coisa mudou. Na realidade, há inúmeras vantagens e desvantagens em ser uma mulher de mais de 50 anos com as características de uma Dominique. E boa parte da nossa conversa girou em cima dessas características. Vou fazer um resumão de tudo o que falamos! 

Desvantagens de ser uma Dominique

Empregabilidade

Não se trata falta de disposição para trabalhar ou ter a capacidade. Infelizmente, o mercado de trabalho já não absorve mulheres mais velhas. Há algumas iniciativas para ajudar na recolocação profissional. Um dos caminhos discutidos foi a reinvenção.

Mudanças no Corpo

Esse assunto rende. Mas sabe o que a maioria disse? O corpo mudou mesmo e já não há mais aquela pressão em ser super magra. Claro que não é para se descuidar. Um medo evidente entre as Dominiques foi com relação à plástica e ao risco do exagero. 

Relacionamentos

A principal queixa foi a falta de companheiros disponíveis. As Dominiques estão em sua plenitude e ainda convivemos com alguns estigmas antigos sobre a independência feminina. Mas nenhuma se deixa abater por isso não. 

Ninho Vazio / Ninho Cheio

Houve aqui uma grande empatia. Todas sabem que ficar sem os filhos em casa foi um grande desafio. Mas uma vez que a liberdade chegou, ahh…. perdê-la é complicado. É que a volta dos filhos tira da rotina e até a convivência é mais difícil. 

Roupa

A eterna discussão. O problema aqui não é ser Dominique. Mas achar roupas em tamanhos adequados e que não nos deixe com a aparência de muito mais velha. Muitas lojas não têm modelos interessantes para mulheres mais velhas, que não querem parecer jovens demais. 

Mas sempre há os dois lados da história, certo? Claro que há inúmeras coisa boas em ser uma Dominique. Afinal, são mais de 50 anos vivendo, aprendendo, quebrando a cara e retornando lindíssimas 🙂

Vantagens de ser uma Dominique

Experiência

Hoje sabemos o que gostamos, como gostamos e – principalmente – o que não gostamos. Além disso, podemos dizer um sonoro “que se dane” para as pequenas bobagens da vida. Aprendemos mesmo que o que vale é o nosso bem-estar.

Paciência 

As Dominiques já não levam tudo tão a ferro e fogo. Por isso, ficam um pouco mais maleáveis e já não entram em atrito por pequenas bobagens. Mas também já não gastamos tempo com coisas que só nos fazem perder tempo…

Opinião dos outros

Sabemos muito bem dos nossos melhores atributos. Então, a opinião dos outros já não pesa mais como pesou até alguns anos atrás. E aprendemos a reconhecer o que é tóxico. Também aprendemos que a nossa felicidade não é perene, mas formada de pequenos momentos e que aproveitamos ao máximo.

Aceitação

As Dominiques já realizaram conquistas importantes. Mas também aceitam muito melhor o que não podem mudar. Hoje, a plenitude está em reconhecermos as conquistas que tivemos sobre a mulher que fomos alguns anos antes. O que você conquistou?

Ser Inspiração

A Luciene contou a história mitológica do início da Guerra de Tróia. Uma longa história curta – um dia conto ela inteira – a batalha começou após uma disputa no Olimpo pela escolha da deusa mais bonita. Afrodite ganhou porque todos se curvavam a sua imensa beleza. E  ela tinha apenas um “inimigo”: Cronos, o deus do tempo. Não se trata de não cultivar a beleza. Mas sobre colocar o foco nas nossas conquistas e no que cultivamos até hoje.

Hoje as Dominiques são modelo e a inspiração para muitas mulheres mais novas. Como afirmou a Dominique Beth Penteado: a vida já não é mais linear, como foi na época de nossas mães e avós. Não há mais um roteiro a seguir. Hoje somos nós que estamos trilhando esse caminho para a próxima geração de mulheres de mais de 50 anos. 

A gente conversou muito. E o encontro acabou com aquela vontade de queremos mais! Quem sabe esse não foi só o começo? 

Outros eventos para Dominiques:

Pequenos Encontros, Grandes Histórias

5 Comentários
  1. Próximo quero participar…
    Certeza será bom conversar com as iguais e aprender.
    Um.abc “Dominique”s
    Geralda SBC SP

    1. Oi Elaine, tudo bem?
      Ser Dominique é ser uma mulher de mais de 50 anos. É ser ativa, com muita vontade de viver e muita disposição pra isso. Infelizmente a sociedade não nos enxerga assim. Há ainda muito preconceito, sem falar uma certa discriminação conosco. Esse espaço é para gente mostrar quem é essa nova mulher de mais de 50 anos. Temos este site e perfis nas redes sociais. Tb temos um grupo no Facebook? Combinamos por lá os eventos. E tem muitas conversas ótimas por lá tb. O link do grupo é esse aqui: https://www.facebook.com/groups/dominique/

  2. Perfeito o texto.
    Colocou todos os pontos de uma maneira muito clara.
    Parabéns a DOMINIQUE que fez este relato.

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

A viagem à Lua e as grandes Fake News do espaço

As fake news estão por aí há muito tempo e com as redes sociais são mais compartilhadas do que nunca. Alguns boatos ainda persistem, por mais comprovados que estejam. Uma das mais famosas completa essa semana 50 anos: o homem não pisou na lua… ou pisou?

Pois é… já passaram 5 décadas e muita gente ainda acha que um dos maiores feitos do homem simplesmente não aconteceu. Uma pesquisa do Instituto Gallup mostrou que cerca de 5% dos americanos não têm realmente certeza disso. Em 1969, a desconfiança estava fundamentada por um motivo político. 

A teoria de que tudo foi uma encenação tinha como pano de fundo a guerra fria. A União Soviética havia mandado o primeiro foguete – o Sputnik – para o espaço em 1957 com a cachorrinha Laika. Foi um baque e tanto para os Estados Unidos, nação que se considerava a mais poderosa do mundo. 

Perder a corrida espacial para os russos? Havia a grande disputa política e o mundo todo sabia da rivalidade entre os dois países. Os americanos queriam a todo custo ultrapassar os russos na corrida espacial e pareciam dispostos a tudo, até a “encenar” que o homem pisou na lua. 

E o homem pisou na lua?

Sim, na verdade 12 homens já pisaram na Lua, em 6 viagens espaciais diferentes. Mas no dia da aterrissagem, em 20 de julho de 1969, muitos não acreditaram. Falaram que era uma encenação criada por Walt Disney ou em Hollywood. Questionaram uma sombra nas imagens ou a tecnologia existente na época para realizar tal feito. 

Os boatos ganharam força após a publicação, em 1976, do livro “Nós Nunca Fomos à Lua: A Fraude Americana de 30 Bilhões de Dólares”, escrito pelo ex-oficial da Marinha americana Bill Kaysing. O autor trabalhou na fábrica de foguetes Rocketdyne e defendia que o projeto tinha sido forjado pelo governo americano. 

E os russos? Bom, eles nunca denunciaram a suposta “farsa”. Tampouco as milhares de pessoas que já trabalham em projetos espaciais ao longo dos últimos 50 anos. É muita gente para enganar ou ser convencida a mentir sobre a encenação. Não acham? Hoje há respostas para todos os pontos questionados. E o mundo tem – certeza – de que a viagem à Lua aconteceu, assim como o homem andou por lá.

É pra confirmar antes de compartilhar

Nos últimos tempos temos convivido praticamente todos os dias com as notícias falsas. E não adianta culpar as redes sociais, não. Quem compartilha são pessoas que acreditam ou que nem buscam pela informação verdadeira. A lista dos riscos que causam é grande, desde criar situações embaraçosas até gerar ódio desnecessário. 

Mas hoje há muitos meios de confrontar as informações e confirmar se a notícia é ou não é falsa. Antes de sair compartilhando por aí, você pode checar em um destes sites (aqui) a veracidade da informação. Já sabemos que é praticamente impossível acabar com as fake news, então o jeito é ajuda a reduzir. Que acham? 

Fake news espaciais

É fato que o espaço sempre intrigou muita gente e, por isso mesmo, já inspirou muitas notícias falsas. São várias, mas selecionamos as 5 mais conhecidas ou criativas. Você já conhecia alguma delas?

A invasão alienígena

Em 1938, rádios americanas noticiaram um ataque alienígena à Terra. Divulgaram notícias sobre explosões e até mortes. Mas tudo não passou de uma história (muito bem) narrada na rádio pelo cineasta Orson Welles, diretor do filme Cidadão Kane. A adaptação para o rádio que ele fez do livro Guerra dos Mundos, de H.G. Wells, foi tão convincente que causou pânico nos americanos. 

Existe vida na Lua

Em 1835, muitas pessoas acreditaram em uma série de artigos publicados no jornal americano The Sun. A descoberta de que a vida na Lua estava comprovada foi falsamente atribuída ao astrônomo John Herschel, que não gostou nada de ser envolvido na farsa. Outros jornais chegaram a compartilhar a notícia. Mas pouco depois ela foi desmentida pelo autor Richard Adams Locke, que era repórter do The Sun.

Área 51

Algumas pessoas afirmam que uma região próxima a Las Vegas, nos Estados Unidos, funciona uma base militar americana secreta. E que ali os militares mantêm alienígenas que teriam sido capturados após um acidente. A região é, sim, uma área militar e o que funciona ali também é secreto. Mas por enquanto são apenas boatos, começaram na década de 50, quando foram realizados testes com novos aviões. Como ninguém tinha visto aqueles modelos, acreditaram se tratar de discos voadores.

Um rosto em Marte

Em 1976, a Nasa fotografou na superfície do planeta Marte o que pareceu ser um rosto de uma pessoa parcialmente enterrado no chão. Os crédulos afirmaram que aquela era uma evidência deixada por alienígenas, mostrando que eles haviam estado no planeta. Mas a análise mais próxima da imagem revelou que o semblante nada mais era do que o efeito de luzes e sombras sobre as rochas.

Alienígenas no deserto

Em 1947, moradores de um rancho em Roswell, cidade no Novo México, reportaram ter vistos objetivos caindo do céu. Os rumores extrapolaram a pequena cidade americana e o lugar ficou famoso pelo acidente de um OVNI (objeto voador não identificado). Mas o governo americano logo desmentiu os boatos e informou que o que havia caído eram peças de balões meteorológicos.  

É muita imaginação. Mas você percebeu um fator em comum nas histórias, além de serem fake news e sobre espaço? Todas aconteceram nos Estados Unidos. Ah, esses americanos… são inventivos mesmo, não?

Outras histórias sobre a Lua

A Lua Santinho! A Lua!

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.