Carreira

O Último Tango – Uma história de amor, e paixão pelo tango

Uma história de amor, e paixão pelo tango

Disponível no Netflix, hoje comento o documentário musical, O Último Tango.

A história conta a trajetória de amor entre os dois mais famosos dançarinos de tango e a paixão que ambos nutriam pela dança. María Nieves (81) e Juan Carlos Copes (84) se conhecem quando tinham 14 e 17 anos. Dançaram juntos por mais de 50 anos. Em todos esses anos eles se amaram, se odiaram, e passaram por várias separações dolorosas, mas o amor pela dança sempre os uniu novamente. Juan e María contam sua história a um grupo de jovens bailarinos, e coreógrafos de Buenos Aires, que transformam os mais belos e dramáticos momentos das vidas do casal em incríveis coreografias de Tango.

O fio condutor são as recordações de Nieves. De maneira franca ela conta como se apaixonou por Copes, como se tornaram figuras icônicas. E não tem problema em falar das dores dos vários rompimentos amorosos com Copes, da separação artística em 1997, dos rancores e das injustiças que sofreu.

Um aspecto sempre presente nas falas dela é o amor incondicional pelo tango, a única coisa que manteve a dupla unida quando só no palco eram capazes de sorrir.

Os depoimentos de Copes são mais curtos e menos numerosos. São também muito mais frios do que os dela. A sisudez de Copes mostra uma aparente segurança que se encaixa no perfil dominador e machista do bailarino. Com distanciamento ele dá sua versão dos fatos, que nem sempre coincide com o que Nieves diz. Mas os dois concordam que Copes inventou um estilo próprio de dança, cheio de virtuosismo. Uma de suas características principais é a movimentação das pernas que María realizava com perfeição. Os depoimentos são viscerais e com uma honestidade comovedora.

Vemos ali pessoas que se entregaram de coração e viveram o Tango ao máximo.

O documentário faz uma bela homenagem sem ser arrastado ou brega. Germán Kral, diretor argentino radicalizado na Alemanha, fez um belo trabalho com esse projeto, deixando com que María e Juan brilhem como grandes estrelas que são. Todo o filme, como não podia deixar de ser, é acompanhado por uma belíssima trilha sonora recheada de muitos tangos.

A música envolvente, que denota muita paixão, romantismo e sensualidade, é o motor do filme argentino.

O roteiro, também escrito pelo diretor, está muito bem amarrado e traça a linearidade que vai desde a infância até a vida atual de Nieves. E isso é feito mesclando-se imagens de arquivo, danças e encenações. É tudo tão bem costurado, que nos deixa completamente hipnotizados pela história dessa mulher e de sua vida.

Aqui fica a dica!

Eu adorei!

 

Trailer:

Veja também:
Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

VR, RA, IOT, Nuvem – Vamos entender essa sopa de letrinhas?

Você está em uma conversa num círculo variado de pessoas e de repente começam a falar siglas e termos que você nunca ouviu falar. De repente, você se sente um alien no meio de tantas expressões diferentes. Você se reconheceu nessa situação? Se sim, esse texto é pra você!

Primeiro recado é: não se sinta assim. Não é só você que passa por isso. Depois da internet, e com a melhoria dos sistemas de conexão, muitas coisas foram inventadas. Não só aparelhos novos, mas serviços novos antes só imaginados em filmes de ficção científica. As novidades invadiram o ambiente corporativo, o lazer e a ciência.

Pra você não ficar mais de fora das conversas, vamos explicar 5 novidades tecnológicas e as suas aplicações.

VR – sigla para Realidade Virtual

É uma tecnologia que recria em uma tela (que está num óculos) um ambiente virtual totalmente diferente do real. Você fica tão imerso nesse novo ambiente que se sente parte dele.

É uma criação toda especial, que pode ser usada para ensinar, entreter e até na saúde. Médicos já estão aplicando a tecnologia para ajudar pessoas com deficiência física na recuperação de movimentos.

Há vários óculos disponíveis no mercado. Um deles é o Google Glass. Aqui no Brasil tem a Oculus. Você pode baixar os ambientes em aplicativos para celular. Basta digitar VR e selecionar entre as opções. Mas você precisa da tela para visualizar.

Realidade Aumentada

É uma tecnologia que permite que os objetos do mundo virtual se misturem com o mundo real. Lembra nos filmes de ficção quando a pessoa aparecia de forma tridimensional num ambiente? Mais ou menos isso. Hoje a RA é muito usada em jogos, em ações de marketing e até em treinamentos, apoio no dia a dia do trabalho e vendas. A experiência interativa da RA permite interagir no mundo real com situações ou objetos que não existem realmente. É possível, por exemplo, ler um livro impresso e com a ajuda de um aplicativo de RA “brincar” com itens mencionados na história. Você pode visitar um apartamento ainda em construção e simular a sua decoração. Não é um vídeo, uma vez que você pode interagir com as imagens.

Na nuvem

Já escutou a expressão “minhas fotos estão na nuvem”? É simples, significa apenas que o armazenamento das imagens não está no computador da pessoa, mas num grande computador externo chamado de servidor.

Ele tem a capacidade de armazenar uma quantidade enorme de dados e arquivos. Pode ser gratuito ou pago, dependendo do uso. O Google Drive, por exemplo, é uma aplicação na nuvem. Você pode subir uma imagem no serviço e outra pessoa pode baixá-la de qualquer lugar do mundo.

No nosso dia a dia a vantagem de usar a nuvem é justamente a de ter acesso de qualquer lugar a arquivos que antes estariam no computador. Além disso, pode complementar o espaço de armazenamento do seu computador.

Assistente virtual

Você pode ter a sua própria assistente pessoal, mas que não existe no mundo real, apenas no virtual. Basta você perguntar alguma coisa e ela responde! As assistentes virtuais mais comuns hoje são: a Siri, do Google, a Alexa, da Amazon e a Cortana, da Microsoft. São um tipo de robô que responde a comandos de voz.

Elas estão ficando cada vez mais inteligentes, uma vez que aprendem com as milhares de interações com as pessoas. As assistentes virtuais podem apenas responder ou ainda executar ações em casa, como por exemplo, tocar uma música ou programar um computador. Em aplicações mais elaboradas podem também ligar um alarme de segurança ou acender a luz.

IOT – sigla para a Internet das Coisas

Aqui o sentido é literal: as coisas da sua casa ou escritório podem estar conectadas a internet para executar diversas tarefas. Um exemplo é a ligação da assistente virtual com um sistema de segurança. Ao comando de voz, o alarme que está conectado a internet recebe o comando para ligar ou desligar.

Cada vez mais desenvolvida, a IOT poderá ajudar muito no dia a dia de casa ou do trabalho. Imagina, por exemplo, um sistema que avisa que determinado alimento acabou na geladeira ou que liga os equipamentos em determinado horário. É como viver dentro do desenho dos Jetsons.

Você tem alguma dúvida que não está aqui? Manda aqui que vamos atrás da resposta pra compartilhar com todas as Dominiques.

Veja Também:

6 dicas legais da Internet

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Torne-se uma expert em digital com essas 6 dicas!

Você está online o dia todo. Provavelmente circulou a maior parte do tempo entre o seu e-mail e as suas redes sociais. Quando precisa usar alguma ferramenta diferente, pronto! Não sabe qual pode ajudar e nem pra quem perguntar. É assim com você também? Por isso fizemos essa listinha de 6 sites com serviços e ferramentas super úteis e o melhor, gratuitos.

Vamos lá:

Ferramentas do Google: Você já deve ter ouvido falar do Google Drive. É possível gravar imagens e compartilhar com outras pessoas. Mas conhece todo o potencial da ferramenta? Com o e-mail do Google você não precisa mais ter programas como Word, Power Point ou Excel, por exemplo. As versões do Google Drive são gratuitas e se chamam Documentos, Apresentações e Planilhas. Essas são apenas as básicas. Há, ainda, Desenhos e Formulários. Você acessa o seu Drive no canto direito da página, num ícone com nove quadradinhos, perto da sua foto.

PowTon – Quer elevar as suas apresentações profissionais a um outro nível? Esse é o site que vai te ajudar a montar slides de forma criativa, usando inclusive interatividade e até animações. Super simples pra mexer, você pode fazer a inscrição usando o login social (seu perfil de rede social). O site já disponibiliza alguns templates prontos, que você pode customizar como quiser. Essa dica vale a pena salvar em seu favoritos.

Typeform – O Google Drive oferece uma versão simples de formulário. Mas você pode criar um formulário ainda mais profissional e lindo, que vai parecer ter sido programado especialmente para a sua pesquisa. A ferramenta para construir um formulário criativo é o Typeform. E o melhor, é super fácil de usar. Com uma conta ativa você pode usar os templates disponíveis ou criar do zero uma pesquisa. É bastante intuitivo, não precisa ser PHD pra usar a ferramenta. Você pode conferir.

Freepik – Quer usar uma imagem ou um desenho lindo em seu site ou apresentação. Pois saiba que copiar qualquer imagem do Google pode infringir os direitos autorais de alguém. Mas não se preocupe. O Freepik é um banco de imagens gratuito, com milhares de fotos e desenhos que você pode baixar sem problemas. O site fornece também arquivos em vetor ou .psd, que são arquivos profissionais de imagens. Em alguns casos, é preciso apenas indicar o autor da imagem.

IMDB – Internet Movie Data Base ou Banco de dados sobre cinema na internet é “O” site para quem ama cinema ou televisão e quer saber mais sobre as produções e os artistas. O site reúne dezenas de dados, como imagens, vídeos, artistas, história, prêmios, curiosidades, popularidade e muito mais. O aplicativo do celular ainda mais fácil de ser usado. É essencial quando você assiste a um filme ou série e quer tirar aquela dúvida na hora sobre qualquer informação.

Canva – Quer criar uma imagem especial para o Facebook ou Instagram ou um folheto? O Canva é a ferramenta que vai fazer você se sentir como um diretor de arte. Ele possibilita criar vários outros formatos de imagens, como capa de facebook, currículo, papel timbrado, certificado, capa de livro, infográfico… ufa! Você precisa entrar para verificar tudo o que é possível criar nessa ferramenta. Muito fácil e intuitivo de usar. Você pode personalizar todas as suas criações a um nível profissional.

Todas as indicações são de ferramentas fáceis e simples de serem usadas. Não é preciso ser um expert em internet, viu. Basta gastar um tempinho mexendo para descobrir como usar e pronto. Aos poucos, você vai ganhando domínio sobre a aplicação e fazendo criações ainda mais produzidas.

Imagem: Designed by Freepik

Veja Também:

Apps sites relacionamento

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Uma mudança de vida e, por fim, de carreira

Eu me lembro exatamente o momento em que tudo começou.  Já aconteceu de você olhar distraidamente para um espelho e não se reconhecer nele?

Um dia a empresa resolveu me enviar para um congresso no exterior. O evento era dali a duas semanas e o meu passaporte estava vencido. Corri para renovar o passaporte.

Tirei uma foto em algum lugar qualquer (não era o sistema atual para fazer o passaporte) e aí veio o choque: quem é essa mulher na foto? Foi nisso que eu me transformei? Cabelo horrível, sem nenhuma maquiagem ou cuidado, exalando uma aura de “eu não sou nada”…

Era assim que as pessoas me viam? Comprei uma maquiagem básica, ajeitei como pude o cabelo e tirei uma nova foto. Ficou um pouquinho melhor.

O fato é que aquela foto serviu para me acordar, e como se eu não tivesse espelho em casa, fez com que eu me olhasse de frente. Não devia ser assim.  Em que ponto do caminho eu me deixei para trás, junto com minha alegria?

O passaporte ficou pronto, eu fui para o Congresso e foi assim que desembarquei para minha primeira visita a Londres. Eram dois dias de evento, mas eu precisava ficar no mínimo cinco dias para que a passagem tivesse uma tarifa decente.

Mesmo com pouco tempo, planejei bastante a viagem. Então a primeira coisa planejada não deu certo: meu celular não foi habilitado para ligações no exterior (bom, essa história tem quase 10 anos…). Gastei quase 50 libras para ligar do hotel para casa para avisar que havia chegado, que estava tudo bem e que eu não ia ligar mais porque era muito caro.

E foi aí que o milagre aconteceu. Fiquei sozinha. Por cinco dias. Cinco dias inteiros. Sem conexão com a família, sem conexão com o trabalho. Sozinha. Para levantar e dormir quando queria. Para ir aonde queria. Comer o que queria. Comprar o que queria. Sem dar nenhuma satisfação a ninguém. Sem ter que negociar nada com ninguém. Sem ter que ceder nada para ninguém. Egoísmo? Liberdade pura!

Você com você mesmo. Fui ao teatro, visitei museus, sites históricos, fui a Windsor… Londres é a melhor cidade do mundo. Esses cinco dias pareceram um mês inteiro de férias para mim. Consegui me desligar completamente das coisas.

O começo da metamorfose

Quando eu voltei, algo muito estranho começou a acontecer. Era como se, a exemplo do que aconteceu com Alice no País das Maravilhas, eu tivesse mudado de tamanho e o espaço que eu tinha disponível não era mais o suficiente para mim.  Eu precisava de mais espaço, o meu espaço. Viajar é mesmo uma das melhores coisas que existem. E eu precisei ir a Londres encontrar… eu mesma!

A primeira coisa que mudou de tamanho foi a família. Mas não foi um processo rápido. Demorou dois anos para eu entender que o tipo de relacionamento que eu tinha significava para minha vida, e mais dois anos para preparar uma boa separação, em que todos fossem preservados e pudessem seguir em frente construindo suas vidas.

Depois reduzi ainda mais. De quatro pessoas, uma empregada e três cachorros grandes, passaram a ser de três pessoas, uma empregada e um cachorrinho. Uma dura realidade que eu tive que enfrentar ao entender que naquele meu novo mundo não era possível carregar mais do que devia sob pena de não sobrar de novo mais nada de mim.

A segunda coisa que mudou de tamanho foi a residência. Nós havíamos construído uma boa casa na Serra da Cantareira, com um grande jardim, onde moramos durante 9 anos. Apesar de ser uma casa deliciosa, o acesso era muito difícil e tudo tinha que ser resolvido de carro, o que causava uma grande restrição. No processo de separação eu decidi sair da casa e vir para São Paulo. Escolhi um apartamento perto da nova escola das crianças para que eles tivessem independência para ir e vir

Um detalhe importante sobre o apartamento: comprei mobiliado, muito bem mobiliado, o que me proporcionou uma mudança quase minimalista. Muita coisa foi doada, vendida, descartada (de forma sustentável) e só veio para a casa nova aquilo que era essencial.

É importante destacar que essas reduções de tamanho nem de longe significaram uma redução de mim mesma. Pelo contrário, a cada tamanho físico que eu ia reduzindo, o meu espaço pessoal e de realização ia crescendo, pelo fato de não ter que arcar com compromissos que pesavam e não contribuiam com meus anseios.

Uma nova graduação a essa altura da vida!

A terceira coisa a mudar de tamanho foi o meu currículo. Com mais tempo e mais dinheiro disponíveis (as coisas ficaram melhor divididas na separação), voltei para o banco da escola para realizar um antigo sonho: estudar Direito. Uma graduação a essa altura da vida!

Eu pensava que essa seria a minha carreira na aposentadoria, que estava se aproximando. Talvez um concurso público. Eu nem sequer imaginava o que a vida ainda reservava para mim. 

Alguns amigos se foram, outros apareceram, construí e retomei amizades realmente significativas. Ampliei minhas atividades culturais e sociais. Tive vários encontros e desencontros, cada vez mais com a certeza de preservar o meu espaço e a minha identidade.

Mas as coisas não pararam de mudar de tamanho não. Vivendo todas essas transformações, inevitavelmente o processo iria acabar chegando ao trabalho. E chegou o dia, depois de trabalhar 20 anos na mesma empresa, a qual sou extremamente grata por ter me permitido construir tudo o que fiz na vida, que não foi mais possível ter uma relação produtiva para os dois lados, e eu fui “saída”.

Confesso que quando vi o envelope com a minha carta de demissão (era preciso coragem para demitir uma profissional com tanto tempo de casa, resultados e salário alto) tive a mesma sensação de quando peguei a sentença do juiz sobre o divórcio: liberdade, enfim! E claro, desafio! E eu lá tenho medo de desafio?

Como já sabia que meu tempo de empresa não duraria muito, já havia iniciado, antes mesmo de sair, um plano de investimento em imóveis, que me traria uma renda importante para o dia-a-dia. Era claro para mim que quando saísse da empresa seria muito difícil uma recolocação no patamar que eu estava, tanto pela idade quanto pelo salário.

E eu nem queria mais trabalhar no mundo corporativo daquela forma, pois 25 anos já bastavam. Foram muitos bons anos, alguns não tão bons assim, mas a minha mudança de tamanho requeria liberdade e autonomia, criação e inovação, e aquele espaço não me permitia isso.

Meu currículo não parou de crescer: em paralelo ao meu curso de Direito, dediquei-me à formação em Coaching e em poucos meses já estava atendendo de forma remunerada. Como eu era uma profissional experiente, administradora de formação com uma longa carreira corporativa, rapidamente consegui estabelecer uma boa posição com um plano agressivo.

E claro, essa decisão também resultou em outra redução de tamanho: por mais bem-sucedida que seja essa iniciativa, ela não vai alcançar o patamar de ganhos que eu tinha na carreira corporativa, principalmente em função de todos os benefícios. O orçamento doméstico teve que ser adequado à nova realidade.

Sem problema algum. As adequações foram feitas aos poucos. Durante dois anos ainda mantive a empregada mensalista, que só depois se tornou nossa faxineira, com os filhos já crescidos e com um bom grau de autonomia, inclusive ajudando nos cuidados da casa.

Tenho um carro de luxo, remanescente dessa época em que o seu poder na corporação também é medido pelo carro que você exibe na garagem. Ele fica a maior parte do tempo na garagem. Fiz uma opção pelo transporte público e só utilizo o carro quando o deslocamento é muito complicado pela rede pública ou quando tenho que transportar coisas e pessoas.

Um dos meus cachorros grandes, uma labradora, a última que restou da casa da Serra, veio morar conosco no apartamento. E a vida me deu uma nova chance de cuidar dela e ter seu amor incondicional.

E o melhor de tudo: encontrei na profissão que escolhi para essa nova fase o verdadeiro sentido para o trabalho que é ajudar as pessoas a se realizarem, a ter uma vida melhor. A esta altura já são centenas de pessoas com quem pude contribuir. Tenho uma grande quantidade de projetos em andamento, liberdade e autonomia para criar e inovar.

Pode ser que algumas pessoas que me conheceram alta executiva me encontrem andando de ônibus, jeans e tênis, e pensem “coitada, quem te viu e quem te vê”. Elas não sabem que por trás daquela simplicidade está uma alma repleta de felicidade e realização, que encontrou seu propósito no mundo.

Como disse o poeta, Fernando Pessoa,  “tudo vale a pena se a alma não é pequena”.

Patricia Martins de Andrade é Master Coach, Administradora e Bacharel em Direito, MBA em Gestão da Segurança Empresarial. 25 anos de carreira corporativa, investidora do mercado imobiliário e owner da ybr coaching desde 2013, onde já conduziu mais de uma centena de programas individuais e treinamentos em grupo com centenas de pessoas. Mãe da Helena, do Matheus, da Flora, a labradora, e do Kako, o ShihTzu.

 

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Acredite: vale a pena investir o seu tempo no LinkedIn

Imagine abrir o arquivo do Word e começar a digitar o seu curriculum vitae. Bom, apenas imagine, porque fazer isso já é coisa do passado.

É que o LinkedIn tornou-se a principal rede social profissional e você pode construir o seu currículo lá. Depois, basta fazer um download das informações em pdf e pronto! Você tem em mãos um arquivo para ser enviado ou impresso.

Ok! Se você quiser fazer um arquivo e ter o LinkedIn ao mesmo tempo tudo bem. Mas lembre-se: o trabalho para manter os dois arquivos atualizados será dobrado. Tem tempo sobrando? Se é pra investir seu tempo nisso, use pra construir um currículo completo e eficiente direto no LinkedIn.

Agora que você já sabe onde, vamos para o como criar o currículo. Não se aflija! Não é complicado. Agora será uma questão de como escrever. É sempre bom lembrar que hoje em dia as pessoas não prestam muita atenção. E textão, então, quase ninguém lê.

Vamos às dicas?

  • criar o perfil é muito simples. Basta acessar www.linkedin.com, digitar seu nome completo, e-mail e uma senha. Pseudônimo não é permitido, ok! Pronto, perfil criado.
  • imagem vale muito, sim, principalmente no universo corporativo. Escolha uma foto que represente você como profissional. Nada de fotos de festas ou férias.
  • preencha todas as informações de contato, inclusive telefone e e-mail. Também podem entrar em contato por esses meios.
  • dedique parte do seu tempo para escrever um ótimo resumo. Alguns recrutadores podem parar aí e nem continuar a ler o seu currículo.
  • evite as buzzwords, que são as palavras de efeito só pra impressionar. Sério, não impressionam mais ninguém!
  • mostre o que você já realizou e, se for possível mensurar, os resultados obtidos. Por exemplo: aumentei em X% o número de clientes ou a rentabilidade da área cresceu de X para X.
  • se não for possível mensurar tudo bem. Dê exemplos do que você fez e como fez tanto no trabalho com em atividades complementares.
  • evite falar sobre o que você é, foque no que você faz. Lembra das buzzwords? Palavras como eficiente, motivado ou organizado não adicionam nenhum valor. Que empresa procura uma pessoa diferente disso?
  • existe uma área no perfil do LinkedIn chamada Competências. Adicione seus pontos fortes lá. Há itens como Conhecimento do Setor ou Competências Interpessoais. Capriche e aproveite para pedir recomendações de amigos!
  • a seção Experiência organiza as informações sobre onde e quando você trabalhou nas empresas. Você pode adicionar uma pequena descrição. Novamente, foque no que você realizou durante seu tempo na empresa. Se tem documentos para compartilhar, pode incluir!
  • complete o seu currículo com informações sobre a sua Formação Acadêmica e Conquistas, que incluem idiomas, prêmios, certificados, entre outros.
  • a seção Experiência de Voluntariado é bastante valorizada em empresas estrangeiras.
  • por fim, peça aos amigos e antigos colegas por Recomendações pelo seu desempenho e habilidades. Faça também recomendações e ajude outros. Você aprova os conteúdos antes da postagem, então pode ficar tranquila.
  • não divulgue o seu currículo antes de estar completo.

Depois de tudo pronto, você precisa manter o seu perfil atualizado. Sim, é mais uma rede social para você entrar sempre e postar conteúdo. Mas no LinkedIn você pode criar uma estratégia e se organizar.

Mais dicas?

  • o seu perfil será seu branding pessoal. Algumas vezes será o primeiro contato de uma empresa com você. Por isso, evite compartilhar informações pessoais.
  • relacione-se com a sua rede por meio de postagens regulares. Você não precisa escrever postagens longas e nem super produzidas. Bastar fazer um comentário ou compartilhar informações sobre assuntos pertinentes ao seu universo de trabalho.
  • participe de grupos de temas importantes para o seu meio de trabalho. Entre uma ou duas vezes por semana nos grupos e comente postagens de terceiros. Você pode se aproximar de pessoas interessantes.
  • o LinkedIn oferece uma plataforma de conteúdo para a publicação de artigos. Se você tiver material relevante, aproveite para postar e compartilhar com a sua rede!

Esse é um roteiro básico para você começar uma recolocação profissional no mercado. Claro que há várias outras dicas, que vamos compartilhar outro dia. Boa sorte!

Seja a primeira a comentar

Comentar

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.
CADASTRO FEITO COM SUCESSO - OBRIGADO E ATÉ LOGO!
QUER MAIS CONTEÚDO ASSIM?
Receba nossas atualizações por email e leia quando quiser.
  Nós não fazemos spam e você pode se descadastrar quando quiser.